Compartilhe

Justiça indefere pedido de Germana Wanderley para impedir passeata do Republicanos em Patos

Por Vicente Conserva - 40 Graus    Terça-Feira, 27 de Setembro de 2022


A juíza Janete Oliveira Ferreira Rangel, da 28ª Zona Eleitoral de Patos, indeferiu o pedido de reconsideração de decisão da Justiça Eleitoral, que havia negado o cancelamento da passeata dos candidatos Francisca Motta e Hugo Motta (Republicanos) marcada para o próximo sábado (01), vésperas das eleições. O pedido foi feito pela candidata a deputada estadual Germana Wanderley (Solidariedade).

A candidata alegou que os candidatos fizeram o pedido de realização do evento fora do prazo legal, ainda no dia 15 de agosto, antes da permissão para realização de propaganda eleitoral nestas eleições gerais (16/10/2022 a 01/10/2022), ou seja, data extemporânea da comunicação.

Veja parte do pedido:

“Cuida-se de pedido de reconsideração apresentado pela candidata GERMANA WANDERLEY, face o reconhecimento da precedência de comunicação de ato de propaganda em favor dos candidatos HUGO e FRANCISCA MOTTA, consoante despacho 1375892.

Alega, em síntese, que a precedência reconhecida não encontra amparo jurídico, dado que seria ato inexistente em razão de haver sido praticado fora do período (15/08/2022) de permissão para realização de propaganda eleitoral nestas eleições gerais (16/10/2022 a 01/10/2022), ou seja, extemporaneidade da comunicação;

Pugna, ao final, pelo deferimento do pedido de reconsideração, objetivando desconsiderar a comunicação dos beneficiários da decisão anterior e garantir a realização do evento comunicado pela requerente.”

O próprio Ministério Público Eleitoral também opinou pelo indeferimento do pedido (reconsideração pleiteada), sob o argumento de “que não existe extemporaneidade na comunicação feita, nem verificação de excesso na antecedência desta."

A juíza então assim decidiu:

É o breve relatório. Decido.

Não vislumbro qualquer equívoco na decisão proferida (1375892) no presente feito. Ao contrário, encontro

reforço ao seu conteúdo, sobretudo por tê-la em bases de referências jurídicas que passo a expor.

Não há que se confundir a predefinição legal do período permissivo para realização de atos de campanha eleitoral (16/08 a 01/10/2022) com outros direitos inerentes às candidaturas cujo pedido de registro já foram apresentados à Justiça Eleitoral. Em melhor entendimento, é direito dos candidatos e coligações concorrentes se prepararem e promoverem sua logística de campanha de modo a alcançarem maior eficiência na realização de seus atos propagandísticos quando o período autorizativo se iniciar.

Decisão Judicial passeata.pdf

 

« Voltar

NA PARAÍBA

Adriano diz que Republicanos decide até domingo nome que disputará o primeiro mandato da ALPB

ELEIÇÕES 2022

Republicanos pode perder vaga na Assembleia com anulação de votos de Márcio Roberto

Veja também...

NA PARAÍBA

Reajuste de mensalidade das escolas na Paraíba em 2023 será entre 10% e 15%

NA PARAÍBA

PF deflagra operação e cumpre 24 mandados contra facção criminosa na Paraíba

NA PARAÍBA

Chove em vários municípios da PB nas últimas 24h