Compartilhe

'Meu intuito jamais seria prejudicar o pequeno e fortalecer banco', declara Hugo sobre projeto do FGTS

Por Lucilene Meireles - Click PB    Terça-Feira, 11 de Junho de 2024


O deputado federal Hugo Motta, presidente estadual do Republicanos, afirmou, no programa Arapuan Verdade desta segunda-feira (10), que seu intuito jamais seria prejudicar o pequeno e fortalecer os bancos ao apresentar um projeto que envolvia o ‘confisco’ do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) do trabalhador. 

“Eu queria muito ter vindo aqui naqueles dias para explicar essa questão do projeto. O nosso intuito principal de aprovar o projeto é, se um trabalhador de carteira assinada vai pegar um empréstimo no banco hoje o juro é de 8%. O que nós queríamos com o projeto era criar o consignado para os celetistas, para aquelas pessoas que têm carteira de trabalho pudessem ter taxas de juros similares aos servidores públicos que podem tirar empréstimo consignado. Ali se criou uma verdadeira cortina de fumaça em torno do projeto para falar de confisco do FGTS”, pontuou. 

Hugo Motta ressaltou que jamais apresentaria algo que fosse machucar o pequeno. Ele relatou que conseguiu conversar com alguns jornalistas por telefone, mas lamentou que, na política, o que vale é a versão, e nem sempre o que aconteceu. 

“O que me motivou foi criarmos o consignado para o trabalhador de carteira assinada, para o garçom que está nos escutando agora, para a trabalhadora doméstica poderem ter a mesma taxa de juros que só os servidores públicos têm. Esse foi o principal intuito”. 

Para que se consiga fazer isso, ele explicou que é preciso passar algumas garantias para os bancos. “Hoje o FGTS, através do saque aniversário, inclusive eu fui o relator lá atrás dessa medida que beneficia milhões de trabalhadores no Brasil, ele já pode ser consignado”, ressaltou. 

Como acompanhou o ClickPB, Hugo Motta afirmou que o trabalhador pode consignar o seu saque aniversário por dez anos. “Ou seja, seu FGTS também está sendo confiscado se olharmos por esse ponto, mas é uma decisão sua fazer o seu empréstimo. E nós estávamos dizendo que se o trabalhador concordasse, dez por cento do seu FGTS poderia ser usado para lastrear esse empréstimo. Seria uma oportunidade a mais, com taxas de juros lá embaixo. O trabalhador teria que permitir. Na mão de um agiota paga 10%, 15%”, observou. 

“E se você não pagasse e escolhesse essa garantia como lastro para seu empréstimo é que o seu FGTS poderia lastrear. Não estaria autorizado de forma contínua do banco chegar lá e tirar dez por cento do FGTS”, acrescentou. 

De acordo com o deputado, começaram a dizer que ele tinha apresentado o projeto para defender os bancos. A própria Febraban queria dar uma nota contra ele, informando que havia sido pega de surpresa.

“Eu não conversei com banco, eu conversei com o Ministério da Fazenda, com o governo federal, com o secretário Marcos Pinto que é um dos principais secretários do ministro Haddad. Ele coloca, numa matéria como essa, numa perspectiva de se criar a possibilidade do consignado para o trabalhador celetista, como uma das medidas socioeconômicas que mais ajudarão o país a girar recurso na economia. O governo federal quer essa medida”, disse. 

E afirmou ainda: “Eu estava apanhando de todo mundo de forma injusta. Eu retirei o projeto para que não se tenha dúvida de que lado eu estou”.

Para ele, ter que retirar o projeto foi tirar do cidadão, da grande maioria da população, o direito de ter acesso a um crédito bem mais barato, que hoje os servidores públicos têm e eles não têm. Hugo Motta destacou que o projeto seria para proteger o trabalhador. “A falta de proteção é hoje que ele não tem como tirar um empréstimo e vai para a mão de um agiota ou um banco pagando até 8% de juro. Com o nosso projeto, pagaria menos de 2%. Meu intuito jamais seria prejudicar o pequeno e fortalecer banco”, concluiu. 

« Voltar

EXPECTATIVA

Lula afirma que pode ser candidato à reeleição em 2026

ELEIÇÕES 2024

Rede Sustentabilidade anuncia pré-candidatos à Câmara de Patos

Veja também...

TRADIÇÃO

Forró de Nóis Tudim lota Cirandeiro Clube em Cacimba de Areia

FESTA GRANDE

Quixaba realiza café junino com atividades dinâmicas alusivas ao Junho Violeta

NA BERLINDA

Pâlema Bório é denunciada ao STF por invasão e depredação do Congresso no 8 de janeiro