Compartilhe

Gol anulado do Fla revolta Renato: 'VAR apita jogos'

Por Globo Esporte    Segunda-Feira, 18 de Outubro de 2021


O Flamengo protagonizou um jogo de ataque contra defesa diante do Cuiabá, neste domingo no Maracanã. Dentro de casa, o time carioca pressionou o tempo todo, mas faltou precisão para marcar e sair com a vitória. A partida acabou em 0 a 0. Ao fim do jogo, o técnico Renato Gaúcho reclamou da não marcação de pênalti em Vitinho em uma dividida dentro da área do Cuiabá. Para ele, o VAR deveria ter chamado o árbitro Flávio Rodrigues de Souza para verificar o lance.

- Fica difícil. Eu venho falando há muito tempo que o VAR apita os jogos. Não é no jogo de hoje. Eu converso com os árbitros. Em lance duvidoso na área, não é o árbitro do VAR que decide se é pênalti ou não é pênalti. Ele tem que chamar o árbitro do jogo. Eu estava no vestiário vendo o lance do Vitinho. Eu não costumo falar de arbitragem, porque empatamos e vão falar que o Renato está falando da arbitragem. Então, deixo para os especialistas mostrarem o lance e comentarem a cotovelada que o Vitinho tomou no fim do jogo. Se é um lance fora da área, o jogador é expulso. Eu já vi vários jogos que por menos o jogador é expulso. E tem que ser expulso - criticou.

Renato Gaúcho, Flamengo x Cuiabá, Brasileiro — Foto: André Durão

Renato Gaúcho, Flamengo x Cuiabá, Brasileiro — Foto: André Durão

Com o empate, o Rubro-Negro diminuiu apenas um ponto a distância para o líder Atlético-MG, que tem 56 pontos, dez a mais que o time carioca. Para Renato, o resultado foi normal.

+ Veja a classificação do Brasileiro

- É uma equipe que não vai ganhar todos os jogos. Não tem uma equipe nenhuma no mundo que vai ganhar todos os jogos. Todo mundo vai tropeçar. O Atlético-MG tropeçou hoje. Infelizmente nós também. A gente empatou um jogo que poderia reduzir a distância. Um jogo pegado, tentamos de todas as formas, mas infelizmente não conseguimos - analisou.

O treinador também comentou a estratégia da equipe visitante, que montou uma retranca eficiente, e deu poucos espaços ao Flamengo.

- Quando você pega uma equipe bem fechada, ela tira todos os espaços, ela não deixa você chutar. No futebol é muito mais fácil destruir do que construir. No momento, por mais talentosos que sejam os jogadores, se eles não tiverem espaços para construir, fica difícil. Então é mais fácil fazer falta, dar um chutão para frente, entregar a bola para o adversário e ficar fechadinho. É uma equipe que se propôs a não tomar o gol. Não ofereceu perigo nenhum. Jogaram fechados. Vieram com essa proposta e deu certo. Martelamos, mas a bola não entrou.

O Flamengo volta a campo na próxima quarta-feira, quando enfrenta o Athletico-PR, em jogo de ida pela semifinal da Copa do Brasil. Já no próximo sábado, o Rubro-Negro joga o Fla x Flu, pelo Brasileiro.

Veja outros temas abordados pelo técnico:

Estratégia de jogo

- É muito mais fácil no futebol se destruir do que construir. Quando você pega um adversário, você precisa virar o jogo rápido, fazer jogadas de linha de fundo, de preferência com jogadores que cabeceiem bem dentro da área. Não é só com o Flamengo. É difícil. Quando você encontra uma equipe que se propõe somente a entregar a se fechar, não buscar o gol, e eles têm todo o direito de fazerem isso, fica difícil. Tanto é que muitas vezes você consegue furar o bloqueio, faz o gol e quebra a parte tática do adversário. Porque o adversário muitas vezes não sabe o que fazer e acaba tomando três, quatro ou cinco gols. Mas a proposta era essa de não tomar gol e, infelizmente, não fizemos o gol. Com as peças no departamento médico, mais opções, certamente, poderíamos nos ajudar nesta noite.

Sobre o Gabigol

- O Gabigol quase que nem entra em campo. Ele passou mal no vestiário e no intervalo. Tomou remédio antes do jogo. Tomou remédio no intervalo. Eu perguntei para ele se tinha condições, se estava passando mal. Pedi para voltar mais alguns minutos no segundo e caso não desse, eu ia ter que tirar. Ele passando mal do estômago, deixar ele em campo não estando bem, coloquei um homem de área. Deixei ele o máximo no campo. Mas chegou um momento que tive que tirar.

Sobre oportunidades para Ramon

- Porque temos um dos melhores laterais-esquerdos do mundo. O Filipe Luís. Está bom assim?

Sobre pressão da diretoria do Atlético-MG

- Eu deixo para a diretoria. Já falei de arbitragem e não gosto de falar. Procuro ser justo em todos os sentidos, a favor ou contra. O que eu acho eu falo. Briga de bastidores, de repente de desespero, eu tenho que me preocupar com minha equipe, buscar as vitórias para continuarmos brigando pelo título. Foi ruim em parte. Na pior das hipóteses,diminuímos um ponto. Lógico que queríamos a vitória. Mas não tem jogo fácil. Nosso concorrente também tropeçou. Todo mundo busca os seus objetivos principalmente no segundo turno. Todo jogo é importante. Não gosto de ser repetitivo, mas o Flamengo é o único clube que a cada três dias tem uma decisão. Tem que ganhar e ganhar. É o único disputando três competições, com muitos problemas. Quarta temos mais uma decisão, mais uma guerra. Nosso próximo adversário pelo Brasileiro é o Fluminense, que vai descansar a semana toda. E vamos para uma batalha e o Fluminense nos esperando. Na quarta é uma guerra, uma final, e no sábado também. Estamos com muitos problemas, departamento médico, jogadores na Seleção... Nosso grupo é muito bom, mas estamos cheios de problemas. Os jogadores são seres humanos, eles cansam. O Athletico poupou praticamente 90% do time hoje. Só o Flamengo não pode poupar e não podemos poupar. A única que poupei foi contra o ABC. E temos que ganhar, quando não ganha, ninguém é bom. Eu ainda vou ver comentaristas, jornalistas, falando que estamos em três competições e é muito difícil ganhar três competições? É muito difícil analisar dessa maneira? Gostam de analisar que não ganhou. Só sabem criticar. Qual time no mundo ganha todas as partidas? Mas é quase que impossível ganhar tudo. Até quando ganha acham algo para criticar. Difícil, mas vamos levando. Não vamos agradar a todos. Principalmente quando não são os flamenguistas. Os culpados são os flamenguistas, ganham tudo.

Cera do Cuiabá

- Esse foi um dos motivos que fui no campo falar com o árbitro. Eu volto a repetir. Eu converso, troco ideias, eu não critico arbitragem. E eu falei para o bem deles. Vocês têm que coibir esse tipo de cera pelo bem do futebol. É visível que o jogador vai ser substituído e cai no campo, 95% fazem para ganhar tempo. O goleiro no tiro de meta e ganhava tempo. Dá logo o cartão amarelo. Ou faz o seguinte: chegou no final do jogo, dá 12 minutos, 15 minutos. Desconta. Se o meu time estiver ganhando faz a mesma coisa. Dá o tempo. E quando o árbitro dá oito minutos, parece que o planeta vai explodir. Eles precisam coibir para o bem do futebol. Que faça com meu time também, mas que seja em todos os jogos. É difícil dar soco em ponto de faca. Os responsáveis quase não fazem nada. Tem que continuar adicionando enquanto estiver fazendo cera. A ordem para o meu time é jogar futebol, se fizer cera, tem que tomar cartão. Só assim vamos melhorar o futebol.

Sobre não subir mais atletas da base

- Já temos o Vitor (Gabriel) da base. E temos analisado uns garotos na base. E em um jogo como este, fica difícil colocar para você não queimar o jogador. Muitas vezes o garoto tem um futuro, você coloca, entre aspas, em uma furada como hoje, e queima o garoto. Se entrar em um jogo como hoje, vai ficar nervoso e muita gente vai falar que não é bom. O garoto tem que ter a oportunidade na hora certa, com jogos decididos, não em uma fase como esta. Eu pelo menos trabalho dessa forma. Não quero ser responsável por queimar o garoto.

Sobre o empate

- Todo mundo sai frustrado. Todo mundo sai triste. Conversamos bastante, antes mesmo da partida. Sabíamos que seria difícil. Eu estou chateado, mas ficaria mais chateado se a minha equipe não tivesse lutado. Minha equipe brigou, mas pegamos um adversário que não quis jogar. Mas faz parte. É mérito deles também.

Atuação do Kenedy

- O Kenedy não sabe jogar por dentro. Ele joga por fora, pelo lado. E eu tenho dado a oportunidade para Vitinho e tenho conversado bastante com ele, porque ele tem cometido o mesmo erro. Jogar muito de costas para o adversário. Tenho trocado muita ideia com ele sobre isso. Mas não é porque o Andreas jogou hoje de costas e não rendeu tanto em outras partidas. É porque o adversário não deu espaços. É difícil enfrentar um adversário dessa forma, não estou criticando, mas eles jogaram assim hoje. Na maioria das vezes conseguimos, hoje não conseguimos.

Sobre semifinal com o Athletico

- Cuidado temos que tomar em todos os jogos. Cuidado sempre tomamos. Mas temos nossa maneira de jogar. Vamos esperar até amanhã. Que a gente não perca nenhum jogador. Até porque teremos pela frente um grande adversário, jogando em seus domínios e em grama sintética. E o time descansa também. Meu grupo está preparado, e é acostumado a esse tipo de jogo. Só espero que possamos descansar o máximo até quarta-feira. Ninguém quer saber de nenhum outro resultado. Aqui tem que ganhar e ganhar. Enquanto os adversários poupam jogadores, não temos esse direito.

« Voltar

ESPERANÇA

Planos do Timão para 2022: Paulinho, centroavante e mais reforços

RESOLVIDO

Flamengo faz acordo com família de vítima do incêndio do Ninho; só falta uma

Veja também...

OPORTUNIDADE

Refis do ICMS é aberto e segue até o dia 30 de dezembro

APROVADO

TCE-PB aprova contas de 2015 da ex-prefeita Francisca Motta

MUDANÇAS

Novo decreto da Paraíba permite shows com 50% de público e exige comprovante de vacinação