Compartilhe

Manifestações antidemocráticas são 'criminosas' e devem ser punidas, diz Gilmar Mendes

Por Globo.com    Segunda-Feira, 1 de Junho de 2020


O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) afirmou neste domingo (31), em entrevista à GloboNews, que manifestações antidemocráticas são inconstitucionais, criminosas e devem ser repudiadas e punidas.

Neste domingo (31), manifestantes pró-Bolsonato fizeram um ato na Praça dos Três Poderes, em Brasília, onde fica o Supremo Tribunal Federal, na qual fizeram a defesa de medidas antidemocráticas. Faixas exibidas no ato pediam intervenção militar e fechamento do Congresso e do STF.

“A mim me parece que isso precisa ficar muito claro. Manifestações antidemocráticas elas não apenas são inconstitucionais, mas elas se revelam criminosas e elas têm que ser repudiadas e punidas”, declarou o ministro.

Gilmar Mendes afirmou ter conversado com o presidente Jair Bolsonaro sobre a presença dele nesses tipos de ato.

“Acho tudo isso preocupante e já tive até oportunidade de dizer ao próprio presidente da República que me parecia extremamente inadequado ele participar de manifestações que clamavam pelo fechamento do Congresso, do STF e por qualquer medida antidemocrática”, afirmou Gilmar Mendes.

O ministro afirmou que é “tão preocupante” e pode revelar algo criminoso, que o procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu abertura de inquérito para investigar as ações antidemocráticas desse grupo.

Gilmar Mendes disse também que protestos em frente ao tribunal, como o que ocorreu na noite deste sábado, não intimidam a Corte.

“Isso não nos intimida. Se houver qualquer ameaça de agressão à Corte, acredito que as forças de segurança estão aí para eventualmente protegê-la”, declarou.

O ministro afirmou que essas manifestações “estão se valendo da liberdade de reunião para cometer atos que vão contra o texto constitucional”.

Ele se referiu também ao ato realizado na noite de sábado em frente ao STF, no qual os manifestantes usavam máscaras brancas e tochas, a exemplo dos supremacistas brancos dos Estados e o dos nazistas, nos anos 1930, na Alemanha.

“Essa, na madrugada, lembra esses supremacistas raciais brancos e episódios que ocorreram na Alemanha nazista, de modo que é preciso ter muito cuidado, isso não tem nada a ver com democracia”, completou.

O ministro comentou ainda declaração do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) durante a semana de que a dúvida agora não é "se", mas “quando” haverá um “momento de ruptura”.

“Temos tido declarações como essa de vários parlamentares. Tenho até conversado com os líderes do Congresso e tenho dito que é chegada a hora de um diálogo mais sério e mais enfático no âmbito da Câmara e do Senado no que concerne à própria responsabilização desses atores, que são parlamentares, mas que defendem o fechamento do Congresso, do Supremo, que defendem a supressão da democracia. A comissão de ética da Câmara e do Senado deveria funcionar e responsabilizar essas pessoas”, disse.

Gilmar Mendes defendeu também o inquérito que investiga fake news e que culminou em operação da Polícia Federal na quarta (27).

“Algo regular, não temos nenhuma dúvida. E o ministro Alexandre de Moraes vem tomando todas as medidas. Está sendo feito com base no devido processo legal, não há nenhum exagero por parte do STF.”

O ministro criticou as fake news e afirmou que “o uso político dessa desinformação, toda essa rede de militantes e robôs que se identificam e contribuem para difusão precisa ser revelado e combatido”. “Isso pode ser muito danoso para a democracia”, disse.

Gilmar Mendes afirmou ainda esperar que “ na próxima semana ou na outra” o plenário do STF analise a validade do inquérito, “para que então não haja nenhuma discussão sobre o trabalho que vem se realizando”.

Na quinta (28), o ministro Edson Fachin enviou pedido de suspensão do inquérito feito pela PGR para análise de todos os ministros e pediu que o caso seja pautado. “É um instrumento de defesa constitucional da Corte e foi reconhecido inclusive pelo dr. [Augusto] Aras.”

« Voltar

ELEIÇÕES 2020

Hugo Motta diz que deve se reunir com governador para buscar alinhamento em Patos nas eleições

NO SERTÃO

Prefeito de Patos entra com ação contra vereador Ramon Pantera por crimes de injúria e difamação

Veja também...

CARIOCA 2020

Bruno Henrique é poupado e não encara o Flu no primeiro jogo da final

NA PARAÍBA

23 municípios da PB alcançam bandeira verde e podem retomar atividades sem restrições

MUDANÇAS

Patos vai para bandeira amarela e pode ter comércio e shoppings reabertos na quarta-feira