Compartilhe

Mercado obriga preço do etanol a subir e consumidor fica no prejuízo

Por Portal Correio    Quarta-Feira, 15 de Maio de 2019


Se há algo que tira a paciência do brasileiro é a alta de preços em inúmeros produtos. E muitas das vezes, sequer a população entende o porquê do reajuste. Com os combustíveis não seria diferente. Mas por que quando se altera o valor da gasolina (produto derivado do petróleo) também se muda o do etanol, que vem da cana de açúcar? A resposta não é simples e não depende de apenas um fator. São várias circunstâncias atreladas a esse fenômeno. E um dos principais é o mercado.

Portal Correio conversou com especialistas na área do etanol e também com a Petrobras para tentar entender como funciona esse fenômeno. Para se ter ideia, em pesquisas realizadas pela Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) entre janeiro e abril deste ano, a diferença entre produtos ficou sempre entre R$ 1 e R$ 1,20.

Segundo Alexandre Andrade, presidente da Federação Dos Plantadores de Cana do Brasil e da Associação dos fornecedores de Cana de Pernambuco, essa relação de preços se explica muito devido ao mercado. “É a lei de mercado”, disse. Mas ele também relacionou ao período de entre safra da cana de açúcar no Nordeste.

“Teoricamente está (a relação de preços) muito ligada. O concorrente do etanol é a gasolina. Se a gasolina subir, vai ofertar mais etanol. O que está acontecendo hoje no Nordeste é que as unidades de produção estão paradas e o consumo foi alto. Então o Centro-Sul abastece o Nordeste. Eu acredito que daqui a 10, 15 dias o preço do etanol vai cair, independente do petróleo”, explicou.

Diferenças do etanol

Já o diretor-executivo da Agroindustrial Tabu, Luís Sales, explicou sobre os diferentes tipos de etanol: o anidro e o hidratado. O primeiro está presente na mistura com a gasolina. Já o segundo, é o que se usa diretamente no carro. Então, quando o preço da gasolina sobe, automaticamente o valor do etanol anidro segue junto, já que ele compõe 27% do litro da gasolina.

Assim como Alexandre, Luís também comentou sobre a questão da entressafra. Com isso, tendo que comprar o produto de outros centros, faz com que o valor do etanol permaneça elevado. “Agora mesmo, coincide com nossa entressafra, falta etanol. Os estados nordestinos estão indo buscar no centro-sul do país e isso tem um frete que onera o preço e infelizmente não somos autossuficientes em etanol. O Nordeste tem esse déficit de etanol”, complementou.

Competitividade

Já para o presidente executivo do Sindicato da Industria de Fabricação do Alcool (Sindalcool), Edmundo Barbosa, uma coisa que precisa ser alertada é a questão da competitividade. Segundo ele, são poucas distribuidoras de combustível que detêm o poder.

“O fundamental nesta questão é esclarecer a falta de competição na área. Quantas distribuidoras de combustível a gente tem? Poucas. Elas comercializam o etanol produzido por 380 usinas. A distribuidora em geral entende que ela tem que ter o lucro na gasolina, porque normalmente é maior. Então para evitar que caia a venda da gasolina, eleva-se o preço do etanol”, apontou.

Ainda de acordo com Edmundo, as vendas de etanol só fazem crescer a cada dia. Além diso, ele ressaltou a questão ambiental. “O etanol não para de subir a venda, cada mês deste ano a venda foi maior do que em relação ao mês anterior, entre 70% e 80% a mais. Já a gasolina tem caído a venda, não só por conta do preço, mas por questões ambientais também. E aos poucos vai chegando uma consciência, o etanol gera emprego na Paraíba”, finalizou.

Política de preços da Petrobras

Questionada sobre essa ligação dos preços, a assessoria de imprensa da Petrobras se resumiu a enviar apenas uma breve nota e uma série de links tratando sobre o tema. No texto, o órgão afirma que a adição do etanol é uma obrigação legal dos distribuidores de combustíveis.

“A Lei N°8.723, de 1993, estipulou a mistura de álcool anidro na gasolina. Em poucos anos, novos decretos alteraram a porcentagem da mistura. Desde março de 2015, o percentual obrigatório de etanol anidro combustível na gasolina comum é de 27%. O percentual na gasolina premium é de 25%”, afirmou.

Em um dos links enviados pela Petrobras, o órgão afirma que os combustíveis derivados de petróleo são commodities e têm preços atrelados aos mercados internacionais, com  cotações que variam diariamente, para cima e para baixo. “Por isso, a variação dos preços nas refinarias e terminais é importante para que possamos competir de forma eficiente no mercado brasileiro”.

Já em outra página, a empresa diz que os preços cobrados por esses produtos não dependem exclusivamente da Petrobras. “Tributos e margens de comercialização são alguns dos componentes do preço final ao consumidor”.

« Voltar

NO SERTÃO

Irmãos passando fome invadem estabelecimento em Patos para furtar comida e acabam presos

MUITO GRAVE

Confira 4 motivos para você desistir de comer macarrão instantâneo

Veja também...

HÁ 50 ANOS

Chegada do homem à Lua há 50 anos mexeu com imaginário do paraibano

NO SERTÃO

Vereador de Santa Luzia diz que está recebendo ameaças de morte

NO SERTÃO

Cidadãos de Malta participam de ação solidária em prol do Hospital Napoleão Laureano