Compartilhe

Flamengo fatura supera de 2019 e busca arrecadar R$ 1 bilhão em 2021

Por Redação 40 Graus    Terça-Feira, 14 de Setembro de 2021


Nos últimos anos, o Flamengo passou a investir pesado para montar um elenco que disputasse todos os títulos. Porém, isso só foi possível pelo trabalho de reestruturação financeira que ocorre na Gávea desde 2013. E foi justamente há dois anos que o Mengo teve o maior faturamento de sua história, mas que já foi superado em 2021 e pode até bater o recorde de R$ 1 bilhão, de acordo com o jornalista Gilmar Ferreira.

– Na projeção mais realista, (o Flamengo) fechará 2021 com uma arrecadação em torno dos R$ 980 milhões, que é 59% acima do realizado no ano passado. Mais do que isso, o clube já arrecadou R$ 50 milhões a mais do feito em 2019, considerado ano mágico para as finanças rubro-negras. O Palmeiras, seu rival nesta disputa orçamentária, estima fechar o ano com 700 milhões de faturamento -, disse o jornalista do Extra.

E a diretoria espera também que os resultados dentro de campo possam aumentar ainda mais as receitas do clube. O jornalista também acrescentou que, caso o Mais Querido conquiste um dos títulos que está disputando (Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores), já ultrapassa a casa do bilhão.

– A meta para 2021 previa chegada às semifinais das Copas do Brasil e Libertadores (em tese, alcançada) e o vice do Brasileiro (posição por pontos perdidos). Se o time conquistar um destes três títulos, o clube provavelmente baterá a barreira do bilhão em faturamento e atingirá incalculável crescimento da marca -, concluiu.

« Voltar

IMORALIDADE

Flamengo viajará 3.400 quilômetros em sequência de quatro jogos em até 10 dias

MUDANÇAS

Prefeitura do Rio de Janeiro libera público nos estádios com metade da ocupação

Veja também...

REVELAÇÃO

‘Gabinete paralelo’ de Bolsonaro tinha ligação com a Prevent Senior, diz documento

NA PARAÍBA

João Azevêdo encaminha à ALPB proposta de criação da Polícia Penal da Paraíba

POSITIVO

Paraíba registra quatro mortes por Covid-19 e 20% de ocupação de leitos de UTI