Compartilhe

Pesquisa: Diminuem jovens evangélicos que enxergam Israel como ‘chave’ no fim dos tempos

Por Guia Me    Sexta-Feira, 31 de Maio de 2024


O número de jovens evangélicos nos EUA que apoiam Israel e o consideram fundamental para os eventos do fim dos tempos está diminuindo.

Isso está acontecendo à medida que eles se inclinam cada vez mais para a escatologia amilenista e pós-milenista, segundo um estudo recente.

No início deste ano, o Jerusalem Post observou que o apoio a Israel entre os jovens evangélicos caiu mais de 50% ao longo de três anos.

Essa tendência foi detalhada no livro de 2023 "Christian Zionism in the Twenty-First Century: American Evangelical Opinion on Israel," de autoria de Kirill Bumin, Ph.D. e Motti Inbari, professor de Estudos Judaicos na Universidade da Carolina do Norte em Pembroke.

‘Pensando cada vez menos no papel de Israel’

Com base em três pesquisas originais conduzidas em 2018, 2020 e 2021, o livro investigou as crenças religiosas e as atitudes de política externa dos evangélicos nos EUA. Os resultados revelaram que uma divisão geracional está começando a surgir em relação a essas questões.

Conforme dados apresentados por Bumin e Inbari no Centro para o Estudo dos Estados Unidos (CSUS) da Universidade de Tel Aviv em fevereiro, 33,6% dos jovens evangélicos com menos de 30 anos expressaram apoio a Israel no final de 2021, comparado a 67,9% em 2018. Em 2021, 24,3% dos jovens evangélicos afirmaram apoiar os palestinos, em contraste com apenas 5% em 2018.

Atuando como reitor associado do Metropolitan College da Universidade de Boston, Bumin declarou ao The Christian Post que ele e Inbari descobriram em sua pesquisa que os pastores pré-milenistas são significativamente mais velhos do que os pastores amilenistas e pós-milenistas, e menos diversificados étnica e racialmente.

"Conversas com alguns dos líderes da comunidade evangélica jovem — como Robert Nicholson e Luke Moon do Philos Project, além de outras evidências anedóticas — nos levam a acreditar que a maior diversidade racial dos pastores amilenistas e pós-milenistas, combinada com sua relativa juventude em comparação aos pastores pré-milenistas, ajuda a atrair uma parcela maior dos evangélicos com menos de 30 anos para essas igrejas e posições escatológicas," disse Bumin ao CP.

Com o aumento da atração pelo amilenismo e pós-milenismo entre os evangélicos com menos de 30 anos, Bumin observou que essa demografia está "pensando cada vez menos sobre o papel de Israel e do povo judeu no Fim dos Tempos como catalisadores para a Segunda Vinda e a salvação".

"Sem uma relevância escatológica explícita, o apoio ao povo judeu e a Israel no conflito israelo-palestino torna-se uma questão secundária", continuou ele, acrescentando que o pós-milenismo atrai especialmente os mais jovens devido à sua ênfase na justiça social e na melhoria da condição humana por meio do ativismo social.

Bumin sustentou que o pós-milenismo "ressoa entre os jovens e se alinha com uma visão pró-Palestina, ao invés de pró-Israel, no atual ambiente político nos Estados Unidos."

‘Envenenado por esta filosofia de lavagem cerebral’

Embora ambas as formas de pré-milenismo separem a Segunda Vinda e o Juízo Final, os pré-milenistas pré-tribulacionais — ou "pré-tribulações" — acreditam que a tribulação descrita em Apocalipse 7 ocorrerá após o arrebatamento da Igreja. Eles também acreditam que Cristo retornará com a Igreja para reinar por um período de 1.000 anos antes do Juízo Final. Essa visão foi popularizada por Tim LaHaye e Jerry B. Jenkins em sua série best-seller "Deixados para Trás".

Os pré-milenistas "pós-tribulacionistas", por outro lado, acreditam que a Segunda Vinda ocorrerá após a tribulação, seguida pelo milênio e, finalmente, pelo Juízo Final. Os pré-milenistas mesotribulacionistas ficam no meio, acreditando que a Igreja será arrebatada no meio da tribulação e poupada do peso dela.

O pós-milenismo ensina que a Segunda Vinda e o Juízo Final ocorrerão simultaneamente após um extenso período de domínio cristão na Terra. Em contraste, o amilenismo interpreta o milênio de forma simbólica, sustentando que os cristãos estão vivendo no fim dos tempos desde o primeiro século.

O amilenismo também ensina que a Segunda Vinda e o Juízo Final ocorrerão simultaneamente no final dos tempos.

Richard Land, editor executivo do The Christian Post e presidente emérito do Southern Evangelical Seminary em Charlotte, Carolina do Norte, atribuiu parcialmente o declínio do apoio dos jovens evangélicos a Israel à influência do marxismo cultural nas faculdades e universidades dos EUA.

"Em primeiro lugar, infelizmente, é verdade", disse Land sobre a mudança. "Eu vejo isso o tempo todo. Acho que há várias razões. Uma delas é que os jovens evangélicos frequentaram a universidade nos últimos 20 anos, e as universidades, em grande medida, foram subvertidas pelo dinheiro do petróleo árabe."

Land afirmou que muitas escolas foram infiltradas por uma forma de marxismo cultural que retrata Israel como um "estado opressor".

"Algumas formas de marxismo cultural veem os judeus, em particular, como uma classe opressora branca, o que gera antissemitismo", disse ele. "Você olha para o que tem acontecido recentemente, e isso não pode ser tão disseminado sem ideias por trás. Ideias têm consequências. E, nos últimos 20 anos ou mais, a geração mais jovem de americanos tem sido envenenada por essa filosofia de lavagem cerebral."

Land também observou que os filhos de muitos pré-milenistas pré-tribulacionistas estão mudando cada vez mais seus pontos de vista para o pré-milenismo pós-tribulacional, uma tendência que ele admitiu não poder explicar facilmente.

"Eu não sei exatamente por que, mas sei qual é o resultado", disse ele. "O resultado é que eles estão muito menos focados em Israel. Existe uma relação de causa e efeito: à medida que o 'pré-tribulacionalismo' diminui e o 'pós-tribubulacionismo' aumenta, a intensidade do apoio a Israel enfraquece."

"E então, à medida que foram influenciados pelo marxismo cultural e passaram a ver os israelenses como opressores, alguns deles se tornaram amilenistas. Claro, se você é amilenista, não acredita que Deus tenha algo a ver com Israel", acrescentou.

Land também acredita que Israel, em geral, tem estado “adormecido ao volante” em relação à solicitação de apoio dos evangélicos americanos, assumindo erroneamente que eles sempre teriam o seu apoio.

'Mais cristocêntrico'

Charles E. Hill, professor emérito de Novo Testamento e Cristianismo Primitivo no Seminário Teológico Reformado em Orlando, Flórida, afirmou ao CP que, embora a influência do antissemitismo possa estar contribuindo para a diminuição do apoio a Israel, outra razão significativa pela qual alguns jovens cristãos bíblicos estão se afastando da escatologia pré-milenista dispensacionalista é o acesso mais amplo a diferentes ensinamentos teológicos proporcionado pela Internet.

Hill, que anteriormente seguia uma teologia dispensacionalista e agora se identifica como amilenista em sua escatologia, escreveu o livro "Regnum Caelorum: Patterns of Millennial Thought in Early Christianity." Neste livro, ele argumenta que muitos na igreja primitiva mantinham uma posição amilenista.

"Durante a maior parte da minha vida, a mera existência de Israel no Oriente Médio como nação foi vista como uma justificativa para o dispensacionalismo, pois era considerada um grande cumprimento da profecia: o simples fato de estarem lá significa que o cronograma de Deus está avançando, e assim por diante", disse Hill. "E eu simplesmente acho que os jovens estão mais distantes do evento de fundação do estado moderno de Israel, e talvez esse argumento não faça tanto sentido para eles."

Hill disse que estava finalmente convencido da posição amilenista depois que seus estudos o levaram a “ver a unidade das Escrituras e a unidade do povo de Deus através das Escrituras”.

"Esses são fatores muito importantes para mim, ao ver que sempre existiu um Israel espiritual; que as promessas de terra sempre tiveram uma função tipológica de apontar para Cristo e Sua propriedade sobre o mundo."

"Para mim, a conclusão foi que os apóstolos no Novo Testamento têm uma hermenêutica diferente da que eu estava recebendo no dispensacionalismo", disse ele. "Foi uma tentativa de seguir a hermenêutica dos apóstolos, a maneira como eles interpretavam o Antigo Testamento. E descobri que não conseguia reconciliar isso com uma interpretação literal única da profecia. Era mais cristocêntrica e não centrada em Israel."

"Imagino que, uma vez que os jovens evangélicos começam a investigar um pouco mais, alguns deles acham as visões amilenistas e pós-milenistas mais satisfatórias", acrescentou Hill. "Tenho certeza de que há muitos fatores contribuindo para isso."

« Voltar

TEMPO EXATO

Papa aconselha padres a serem ágeis e encurtarem homilia para que fiéis 'não cochilem'

POLÊMICA

Papa Francisco volta a dizer que há um ar de viadagem na Igreja

Veja também...

DESENVOLVIMENTO

Em reunião com Hugo Motta, ministro anuncia início do projeto do Aeroporto de São Bento

NA PARAÍBA

Teixeira tem 432 efetivos e 830 contratados, segundo TCE; veja a lista completa da Paraíba

NA LAMA

[VÍDEO] Ônibus da banda Desejo de Menina atola no interior paraibano