Compartilhe

CBF divulga calendário do futebol brasileiro para 2023; veja detalhes

Por Globo Esporte    Quinta-Feira, 22 de Setembro de 2022


A CBF anunciou nesta quarta-feira o calendário de competições para 2023. A principal mudança é nas finais da Copa do Brasil, que serão aos domingos e não mais às quartas-feiras. Os jogos serão nos dias 17 e 24 de setembro.

O Campeonato Brasileiro começa no dia 15 de abril e termina no dia 3 de dezembro, um domingo. A CBF promete que não haverá jogos de competições de clubes nas datas Fifa – períodos em que as seleções se reúnem e a liberação de jogadores convocados é obrigatória.

Os campeonatos estaduais continuam a ter 16 datas, como nos últimos anos. Eles começam em 15 de janeiro e serão as primeiras competições da temporada 2023. A Supercopa do Brasil será disputada em jogo único no dia 28 de janeiro.

O calendário específico para a Copa do Nordeste a a Copa Verde será divulgado pela CBF até o dia 17 de outubro.

Brasileirão de 2023 vai começar no dia 16 de abril

Brasileirão de 2023 vai começar no dia 16 de abril

 

Confira as datas:

 

 

  • Campeonatos estaduais: 15 de janeiro a 9 de abril
  • Copa do Brasil: 22 de fevereiro a 24 de setembro
  • Supercopa do Brasil: 28 de janeiro
  • Campeonato Brasileiro - Série A: 15 de abril a 3 de dezembro
  • Série B: 15 de abril a 25 de novembro
  • Série C: 22 de abril a 12 de novembro
  • Série D: 30 de abril a 29 de outubro

 

 

Competições internacionais

 

 

  • Recopa Sul-Americana: 8 e 15 de fevereiro
  • Copa Libertadores: 8 de fevereiro a 11 de novembro
  • Copa Sul-Americana: 8 de março a 28 de outubro
  • Mundial de Clubes: a definir
« Voltar

BRASILEIRÃO

Desfalcado, Palmeiras visita o Atlético-MG, que quer voltar a vencer

DE PARTIDA

Fenerbahçe prepara proposta de R$ 168 milhões por Gabigol, diz site turco

Veja também...

EXUBERANTE

Paraibana Flay exibe corpão escultural de biquíni

LUTO

Inacinho Sanfoneiro morre de infarto aos 57 anos em Patos

ELEIÇÕES 2022

Ricardo Coutinho participará do pleito e poderá ser votado, diz defesa do ex-governador