Compartilhe

Análise: tratamento igual nos treinos dá solidez ao Flamengo de Dorival

Por Globo Esporte    Segunda-Feira, 15 de Agosto de 2022


Dizer que o Flamengo goleou o Athletico-PR por 5 a 0 somente devido ao excelente aproveitamento nas bolas aéreas seria uma análise rasa e óbvia da atuação rubro-negra no domingo do Dia dos Pais. O time que vem disputando o Brasileiro há três rodadas atropelou o rival do início ao fim. Registrou quase o quíntuplo de finalizações (23 a 5), teve mais posse de bola (64%) e pouco foi ameaçado.

No primeiro tempo, que terminou em 0 a 0, tabelas interessantes saíram, e o volume foi grande. A velocidade de Ayrton Lucas e a profundidade de Matheuzinho foram bem exploradas. Victor Hugo, Thiago Maia e Diego controlaram o meio-campo, mas em alguns momentos o Flamengo pecou pela lentidão na transição.

Cebolinha e Marinho, os pontas, oscilaram na etapa. Começaram em altíssima intensidade, mas no final da etapa o nível não foi o mesmo. Nada preocupante. Everton driblou, ousou e buscou o fundo. E o camisa 31, pelo lado direito, finalizou de todos os jeitos e buscou o passe final constantemente.

Mesmo com o zero no placar, o Flamengo foi para o intervalo com os seguintes números:

 

 

Finalizações: Flamengo 12x0 Athletico
Posse de bola: Flamengo 62% x 38% Athletico
Faltas cometidas: Flamengo 9x9 Athletico
Passes: Flamengo 313x158 Athletico
Precisão dos passes: 89% Flamengo x 78% Athletico
Amarelos: Flamengo 2x0 Athletico

 

Fabrício Bruno engraxa a chuteira de Marinho, seu garçom na goleada do Flamengo — Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

Fabrício Bruno engraxa a chuteira de Marinho, seu garçom na goleada do Flamengo — Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

Flamengo A tem um "centroavante-centroavante" e um 9 que flutua por todas as áreas do setor ofensivo como se fosse o antigo ponta de lança. O lateral-esquerdo constrói, mas por idade e estilo de jogo, lança-se ao ataque com parcimônia. O camisa 7 voltou a ser um meio-campista de características únicas e que não se limita mais ao corredor do lado direito. E há ainda um "14 que é 10" sem reposição no Flamengo B. Não apenas dentro do clube, mas no futebol sul-americano.

Flamengo B não tem centroavante-centroavante, mas o responsável por botar as bolas para dentro chegou a três gols em três rodadas consecutivas. Lázaro nem fez jogo acima da média, mas cumpriu o papel de ser o artilheiro. Ayrton Lucas avançou, como dele se espera, e marcou. Matheuzinho explorou bem o outro corredor com a profundidade que lhe é peculiar.

E os pontas Marinho e Cebolinha, que atuam em posição já não tão obrigatória - ou engessada - na equipe das copas, fizeram o que deles se espera: partir para o fundo, buscar a individualidade e o passe para o companheiro em melhor posição.

Mesmo assim os "Flamengos" de Dorival funcionam muito bem. E por quê?

Porque Dorival Júnior, com o auxílio de sua comissão técnica, trabalha simultaneamente os diversos fundamentos com os dois times que dirige. O próprio confirmou isso após o jogo, ainda que as duas equipes tenham grandes diferenças de características.

 

- De um modo geral, estamos convivendo com essa situação e trabalhando com muita dedicação aos aos dois times. Todo trabalho feito com uma equipe é paralelamente feito com outra. Enquanto estamos trabalhando, por exemplo, bolas paradas num campo, nós estamos com a equipe A trabalhando de outra forma.

 

 

- Invertemos o processo: a equipe A vai trabalhar bola parada no campo ao lado. A equipe B vem para o campo principal e, dentro das características daquela equipe, nós trabalhamos os movimentos e as ações, principalmente posicionamentos e comportamentos que são fundamentais porque mudam com a característica de uma em relação à característica da outra - explicou.

 

 

Fabrício Bruno e Marinho mandam para longe a incerteza

 

Após um grande primeiro tempo, o Flamengo voltou do intervalo com erros que chegaram a causar impaciência na arquibancada. Ayrton Lucas, que terminaria como um dos destaques rubro-negros, quase complicou Thiago Maia. Quase. Aí a bola parada entrou em campo (às 10h você lê analise mais completa sobre o fundamento no ge).

Marinho deu três assistências em escanteios, e o zagueiro Fabrício Bruno, que ainda não havia marcado de vermelho e preto, fez logo dois de cabeça. Fabrício, aliás, não errou nenhum dos 52 passes tentados. Pablo, seu companheiro de setor, foi quem mais deu passes no jogo: 81 - errou apenas quatro.

Lázaro, que vinha oscilando, repetiu Fabrício Bruno e ampliou numa testada. No final, Pedro fechou a conta do mesmo jeito.

Aliás, para não passar batido, o gol de Ayrton Lucas também saiu num escanteio... do Atlhetico. Após contra-ataque puxado com maestria por Marinho, Cebolinha esticou em Matheuzinho, e Ayrton aproveitou a sobra para fazer o seu - o terceiro do Flamengo.

Apesar dos gols muito semelhantes - quatro marcados em escanteios cobrados no primeiro pau - para decretar a vitória por 5 a 0, os "dois Flamengos" de Dorival Júnior mostram variedade de repertório e uma coincidência que geralmente passa despercebida em goleadas: a vocação para defender bem.

- Resultado a gente não consegue administrar, mas os trabalhos que estão sendo desenvolvidos nos mostram o interesse, a integração, a atenção e a preocupação dos jogadores em acertarem, em quererem melhorar e de estarem buscando soluções para pequenos problemas que aconteçam.

- Acho que isso que tem feito as duas equipes estarem fortes e, acima de tudo, seguras. Já são 11 jogos sem levar gol, e isso é um número considerável ainda mais para uma equipe que vinha mostrando problemas. E uma incerteza e uma insegurança muito grande, principalmente no nosso sistema defensivo - analisou Dorival.

Em 19 jogos, o Flamengo não foi vazado em 11. São 12 gols sofridos e 42 marcados, com 14 vitórias, um empate e quatro derrotas. Bom trabalho da defesa, do meio-campo que a protege e de um goleiro que dificilmente solta bolas.

Flamengo B disputou três jogos com a mesma formação - exceção neste domingo foi Thiago Maia no lugar de Vidal - e venceu três jogos, marcou 11 gols e sofreu apenas um. Rubro-Negro está pluralmente sólido.

« Voltar

BRASILEIRÃO

Vitória sobre o Galo faz Palmeiras avançar no caminho do título; análise

BRASILEIRÃO

Fortaleza x Flamengo: veja onde assistir, escalações, desfalques e arbitragem

Veja também...

SEM SORTUDO

Mega acumula e prêmio vai a R$ 300 milhões; veja números

BRASILEIRÃO

Gabigol faz dois, mas Fortaleza vira nos acréscimos e deixa Fla fora do G4

TUDO PRONTO

Prefeito de Patos entrega reforma da Secretaria da Receita