Compartilhe

Ex-prefeito de Condado é absolvido pelo TRF em ação de improbidade administrativa

Por Assessoria    Quinta-Feira, 14 de Outubro de 2021


O ex-prefeito de Condado, na região metropolitana de Patos/PB, Eugênio Pacelli de Lima, conseguiu no Tribunal Regional Federal da 5° Região, com sede em Recife, reverter sentença que lhe condenava em uma ação de improbidade administrativa. Eugênio, que chefiou o município entre 2009 e 2012, havia sido acusado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) de não ter prestado contas do valor de R$ 940.500,00, referente a convênio para construção de uma creche. Na ação, o FNDE requereu a condenação do ex-gestor em pena de multa, suspensão dos direitos políticos e devolução de quase um milhão e meio de reais.

Na primeira instância, o juiz da 14ª Vara Federal, em Patos, em 27 de abril de 2021, julgou procedente em parte a ação, condenando Eugênio Pacelli a suspensão dos direitos políticos por 03 (três) anos e ao pagamento de multa no valor de R$ 15.000,00 (quinze mil reais). O magistrado entendeu que Eugênio Pacelli, embora não estivesse mais à frente da prefeitura, quando do prazo para a prestação das contas, não disponibilizou documentos para que o sucessor as encaminhasse à autarquia educacional.

O ex-prefeito recorreu. Através de sua defesa, ele alegou que passou a administração do Município de Condado/PB ao seu sucessor de forma correta e com todos os arquivos. Demonstrou também que o prazo final para a prestação de contas ocorreu no ano de 2013/2014, quando ele não era mais prefeito de Condado, sendo a responsabilidade de prestar contas do prefeito que lhe sucedeu, que não o fez.

A Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em julgamento realizado em 05 de outubro de 2021, por unanimidade, acolheu o recurso e absolveu Eugênio. “Se deixou ou não deixou a documentação devida nos arquivos municipais, aqui, no âmbito da presente ação, é atitude que não o prejudica, porque a conduta imputada se limita a falta de prestação de contas e esta ação não pode ser exigida do administrador que, nos dois momentos – janeiro de 2013 e novembro de 2014 -, não era mais prefeito de Condado”, pontuou o relator, o desembargador Vladimir Souza Carvalho.

Para o advogado do ex-prefeito, Gustavo Nunes de Aquino, “o Tribunal analisou o caso de forma justa e equilibrada. Desde o início que sustentamos a inocência de Eugênio e ela agora foi devolvida por três desembargadores, de acordo com o direito”, comentou o jurista.

« Voltar

NO SERTÃO

Secretaria investiga caso de coceira na pele em Matureia após surto em Pernambuco

NO SERTÃO

MP investiga uso irregular de veículo da Prefeitura de São José de Espinharas

Veja também...

NO SERTÃO

Rapaz tenta agredir amigo com pedaço de pau, e acaba morto a tiros por ele

DESCOBERTA

Cientistas encontram buracos negros 'perto' da Terra e em rota de colisão

RESOLVIDO

Flamengo faz acordo com família de vítima do incêndio do Ninho; só falta uma