Compartilhe

Empresa de medicamentos suspeita de fraudar licitações em prefeituras da PB é alvo da 5ª fase da 'Xeque-Mate'

Por G1 Paraíba    Terça-Feira, 8 de Outubro de 2019


A Polícia Federal cumpre oito mandados de busca e apreensão na manhã desta terça-feira (8), na Paraíba, na quinta fase da Operação Xeque-Mate, comandada pelo delegado federal Fabiano Emílio. Um dos alvos da operação é a empresa Almed, suspeita de fraudar licitações em todo estado. O ex-deputado federal André Amaral Filho, e o pai dele, André Amaral, também são alvos dos mandados, cumpridos, pelo menos, nos bairros de Manaíra e Miramar, em João Pessoa, nas residências dos investigados e em empresas contratadas pela Prefeitura de Cabedelo.

O ex-deputado federal André Amaral estaria destinando emendas parlamentares para Cabedelo e recebendo propina em troca. A operação investiga desvios de recursos públicos federais destinados à aquisição de medicamentos pela prefeitura de Cabedelo, na Grande João Pessoa.

De acordo com as investigações, as fraudes da empresa Almed envolvem pelo menos seis prefeituras da Paraíba: Mamanguape, Gurinhem, Pedra Lavrada, Conceição, Itaporanga e São Vicente do Seridó. Outro local alvo dos mandados da Polícia Federal é a Secretaria de Administração do Estado.

Os mandados de busca também são cumpridos nas residências de Reuben Cavalcante, Vina Lúcia Ribeiro, Antônio Callou de Alencar Sobrinho, José Adênio Melo Alencar e na sede da empresa Almed, distribuidora de medicamentos suspeita de fraudar licitações em todo estado.

O advogado da empresa Almed, Luciano Alencar, informou que a empresa vai tomar ciência dos autos e colaborar com a Justiça. O G1 não conseguiu contato com o ex-deputado federal, e busca contato com os outros investigados.

 

Ex-deputado federal André Amaral Filho — Foto: Câmara dos Deputados/Divulgação

Ex-deputado federal André Amaral Filho — Foto: Câmara dos Deputados/Divulgação

Durante a operação, a Polícia Federal apreendeu uma quantia em dinheiro cujo valor ainda não foi divulgado. A Polícia Federal atua em conjunto com o Ministério Público Federal, o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado da Paraíba (MPPB) e Controladoria Geral da União. A operação contou com a participação de 50 policiais federais.

primeira fase da Xeque-Mate foi deflagrada em abril de 2018, com objetivo de desarticular um esquema de corrupção na administração pública do município de Cabedelo, localizado na região da Grande João Pessoa. A operação moveu algumas peças na gestão da cidade e modificou, rapidamente, a administração da cidade. A Polícia Federal cumpriu 11 mandados de prisão preventiva, 15 sequestros de imóveis e 36 de mandados busca e apreensão expedidos pelo Tribunal de Justiça da Paraíba.

Quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos em João Pessoa e Cabedelo, durante a segunda fase da Operação Xeque-Mate, em julho de 2018. De acordo com a Polícia Federal, foi realizado o sequestro de aplicações e ativos financeiros no valor de mais de R$ 3 milhões.

Na terceira fase, o empresário Roberto Santiago foi preso, março de 2019, em um cumprimento de mandado de prisão preventiva. Ele é acusado de participar do esquema de corrupção e fraudes licitatórias no município de Cabedelo, Região Metropolitana de João Pessoa. Ele foi solto e passou a usar tornozeleira eletrônica em julho.

Na quarta fase da Operação Xeque-Mate, que aconteceu em maio de 2019, cinco mandados de busca e apreensão foram cumpridos, em João Pessoa, na sede do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), e Campina Grande. Nesta fase, a operação apurou a possível cooptação do conselheiro do TCE, Fernando Catão, para, em benefício do empresário Roberto Santiago, preso na terceira fase da Xeque-Mate, impedir a construção do Shopping Pátio Intermares, no município de Cabedelo.

O OUTRO LADO

Em nota, André Amaral, pai e filho, se defenderam afirmando não temer a investigação e que Leto Viana quis se beneficiar com a delação premiada “atacando a honra alheia”.

Confira:

ANDRÉ AMARAL PAI E FILHO - NOTA À IMPRENSA

Fruto da mente maldosa de um criminoso confesso que, através de calúnias, quer se beneficiar do instituto da delação premiada atacando a honra alheia em busca de benefícios penais, tenho a informar aos paraibanos que não devo e não temo essa ou qualquer outra investigação, pois temos a consciência de que andamos rigorosamente na linha. A disposição da justiça estamos para esclarecer denúncias sem provas e lamentamos que a palavra de um criminoso confesso sirva para destruir reputações através do espancamento público, onde nesta busca e apreensão de agora de manhã não encontraram nada em nossas residências, muito menos bolsas com dinheiro, como divulgado na mídia, a não ser o susto de minha filha grávida de sete meses e, que pelo pavor, precisará de cuidados médicos

« Voltar

PARAIBANO 2020

Criança tetraplégica será beneficiada na partida entre Nacional de Patos e Botafogo/PB

NO SERTÃO

Hospital de Patos atendeu 292 vítimas de acidentes de trânsito em 28 dias

Veja também...

DE VOLTA

Saiba os detalhes da compra de Gabigol pelo Flamengo

OPORTUNIDADE

UEPB Patos inscreve em quase 200 vagas para cursos gratuitos de música

PRESTÍGIO

Paraibano do Sertão assume presidência do INSS