Compartilhe

Milhares de pessoas saem às ruas de Patos em defesa da educação e contra a Reforma

Por Redação 40 Graus com G1 PB    Quarta-Feira, 15 de Maio de 2019


Vestidos de preto, com cartazes e bandeiras nas mãos, milhares de estudantes, professores, e comunidade em geral, saíram às ruas de Patos na manhã desta sexta-feira(15), contra bloqueios em verbas da educação, anunciados pelo Governo Federal.

Estudantes, professores e servidores da UFCG, UEPB, IFPB, entre outros de escolas municipais e estaduais, realizaram uma caminhada pelas ruas com cartazes. A concentração foi na concha acústica na Praça Edivaldo Motta.

Foram percorridas as ruas do centro da cidade, passando pelo mercado de Patos e ruas próximas. O protesto retornou à praça. Os estudantes entoaram a palavra de ordem: “Não é mole não! Tem dinheiro para milícia, mas não tem para educação”.

No local, representantes do IFPB e do movimento estudantil da UFCG do campus de Patos falaram aos presentes. Sindicatos e representantes de partidos políticos também participaram da manifestação. De acordo com os organizadores, aproximadamente 1.200 pessoas participaram do ato que terminou no final da manhã desta quarta-feira (15).

Além dos protestos, instituições públicas de ensino básico, fundamental, médio e superior suspenderam as atividades nesta quarta-feira (15).

 

Em concordância com o chamamento nacional, o Sindicato dos Funcionários Públicos Municipais de Patos e Região (SINFEMP) convocou os funcionários da Prefeitura Municipal de Patos. O sindicato fez críticas ao decreto do prefeito interino Sales Júnior (PRB) que retira direitos adquiridos dos trabalhadores e também se posicionou contra a Reforma da Previdência e os cortes de verbas da educação.

Bloqueios na educação

Em abril, o Ministério da Educação divulgou que todas as universidades e institutos federais teriam bloqueio de recursos. Em maio, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) informou sobre a suspensão da concessão de bolsas de mestrado e doutorado.

De acordo com o Ministério da Educação, o bloqueio é de 24,84% das chamadas despesas discricionárias — aquelas consideradas não obrigatórias, que incluem gastos como contas de água, luz, compra de material básico, contratação de terceirizados e realização de pesquisas. O valor total contingenciado, considerando todas as universidades, é de R$ 1,7 bilhão, ou 3,43% do orçamento completo — incluindo despesas obrigatórias.

Em 2019, as verbas discricionárias representam 13,83% do orçamento total das universidades. Os 86,17% restantes são as chamadas verbas obrigatórias, que não serão afetadas. Elas correspondem, por exemplo, aos pagamentos de salários de professores, funcionários e das aposentadorias e pensões.

Segundo o governo federal, a queda na arrecadação obrigou a contenção de recursos. O bloqueio poderá ser reavaliado posteriormente caso a arrecadação volte a subir. O contingenciamento, apenas com despesas não obrigatórias, é um mecanismo para retardar ou deixar de executar parte da peça orçamentária devido à insuficiência de receitas e já ocorreu em outros governos.

« Voltar

NO SERTÃO

MPF abre inquérito para investigar esgoto jogado no Rio Espinharas

AUMENTO

Piso dos comerciários da cidade de Patos vai para R$ 1.120,00 este ano

Veja também...

HÁ 50 ANOS

Chegada do homem à Lua há 50 anos mexeu com imaginário do paraibano

NO SERTÃO

Vereador de Santa Luzia diz que está recebendo ameaças de morte

NO SERTÃO

Cidadãos de Malta participam de ação solidária em prol do Hospital Napoleão Laureano