Compartilhe

Luan Estilizado lembra morte de mãe pelo padrasto quando tinha 8 anos

Por G1    Segunda-Feira, 7 de Janeiro de 2019


Encontro com Fátima Bernardes desta segunda-feira, 7/1, abordou um assunto que tem ganhado cada vez mais espaço nos noticiários: a violência contra a mulher. Durante a conversa, Luan Estilizado abriu o coração ao contar, em detalhes, como sua mãe foi vítima de feminicídio. O cantor revelou que, aos oito anos, a mãe adotiva foi assassinada pelo marido na véspera do dia de São João.

“Foi bem difícil. Todo dia, não só minha mãe como eu apanhava. A gente tinha muito medo de falar. Acabou que ele matou minha mãe, assassinou minha mãe. Eu estava dormindo e, como era noite de São João, não sabia distinguir o que eram fogos ou bala. Dia 23 de junho de 1999 que perdi minha mãe.”

Abandonado pela mãe biológica quando nasceu, o cantor foi criado pela mãe adotiva até o dia da tragédia e disse que também sofria violência por parte do padrasto:

“Ela era policial, a polícia chegou lá pra me pegar e eu sem entender o que era fui pra casa da minha tia. Foi meu primo que me contou a história e, na mesma hora, disse o nome da pessoa que tinha matado ela, eu sabia. Todo dia eu apanhava. Mas peço a Deus que perdoe o que ele fez”.

Depois do acontecido, o pernambucano contou que encontrou na música a força para continuar. Ele comentou que foi adotado pelo tio, irmão da mãe morta, a quem ele chama de pai, o Amazan.

“Foi muito difícil pra mim. Foi a música mesmo, um dom de Deus. Meu pai tem oito filhos e, dos oito, só eu toquei sanfona. Meu pai ficou muito feliz quando comecei a tocar sanfona e ali foi o escape pra mim. Acho que se tivesse a idade que tenho hoje, na época, teria feito uma besteira.”

« Voltar

EM ALTA

Apresentadora Rachel Sheherazade pode trocar SBT por CNN Brasil

NOVO VISUAL

Marília Mendonça comemora vestir número 40: 'Nem com 10 anos usava isso'

Veja também...

NO SERTÃO

Patos Shopping será inaugurado no dia 23 de abril

AFLIÇÃO

Patoense residente em Araçariguama-SP procura pela família em Patos que não vê há 30 anos

NO SERTÃO

Câmara de Vieirópolis aprova lei que impede nomeação de condenados na Lei Maria da Penha pela prefeitura