Compartilhe

Bispo acusado de desvio de dízimos coloca Papa Francisco como testemunha de defesa

Por G1    Quinta-Feira, 10 de Maio de 2018


O bispo afastado de Formosa, dom José Ronaldo Ribeiro, listou o Papa Francisco, o núncio apostólico no Brasil, Giovanni D’Aniello, e o cardeal Dom João Braz de Aviz entre as 31 testemunhas de defesa no processo que investiga o desvio de mais de R$ 2 milhões em dízimos da Diocese de Formosa, em Goiás. O advogado dele, Lucas Rivas, disse que as escolhas foram técnicas. Ele defende a inocência do padre.

Além dele, outras dez pessoas — incluindo o juiz eclesiástico Tiago Wenceslau, o vigário-geral Epitacio Cardozo e mais três padres — estão entre os acusados de participar do esquema. O Ministério Público apurou que eles usaram o dinheiro para comprar uma fazenda de gado, uma casa lotérica e carros de luxo.

"Ficou bem evidente desde a busca da soltura dos religiosos por meio de habeas corpus, que a estratégia dos acusados é adiar o máximo que puderem o julgamento do caso, de forma a se beneficiarem do transcurso do tempo, que virá acompanhado de um pretendido esquecimento e da prescrição", disse o promotor responsável pelo caso, Douglas Chegury.

À reportagem, a assessoria do "interventor" nomeado pelo Papa após o escândalo, Dom Paulo Mendes Peixoto, disse que ele está escrevendo um parecer, juntamente com outros responsáveis, para enviar para a Santa Sé e, a partir deste documento, a Igreja tomará as devidas medidas. Ainda não há nada definido.

Desde a soltura, Dom José Ronaldo está ficando na casa episcopal (casa do bispo da Diocese), porém não está exercendo nenhuma função administrativa.

« Voltar

A CÚPULA

Papa Francisco convoca bispos para prevenção do abuso sexual

FORA DO CLERO

Papa Francisco aceita renúncia de bispo de Goiás após acusação de desvio de dinheiro

Veja também...

SUCESSO TOTAL

Kevin Ndjana é escolhido pelo público e é um dos semifinalistas do The Voice Brasil

FORA DE JOGO

Jogadores da Série A passam por 54 cirurgias em 2018. Veja comparação

BELEROFONTE

Patoense presidente da Asdef admite ter transferido dinheiro da associação para sua conta pessoal