Compartilhe

Lutador de MMA fala sobre como conversão mudou sua visão sobre as artes marciais

Por Gospel Prime    Domingo, 12 de Maio de 2019


O lutador de MMA Rory MacDonald surpreendeu a todos ao dizer que não sente mais prazer em lutar e revelar que está se convertendo. Na última luta ele empatou com Jon Fitch pelas quartas de final do GP dos meio-médios (77 kg) do Bellator e comparou estar no cage com comparecer a uma emprego por obrigação.

“Senti uma dificuldade interna durante a luta que eu nunca havia passado antes. Sempre aproveitei meu tempo no cage expressando ao máximo minhas técnicas contra outro lutador de alto nível, mas desta vez eu não estava aproveitando. Parecia mais um trabalho do que a satisfação que eu estava acostumado a sentir ao ser dominante e aplicar o que eu pratiquei para vencer alguém”, disse ele em nota à imprensa.

A falta de vontade de lutar se deve à conversão religiosa. “Eu costumava lutar com a raiva que tinha dentro de mim pela raiva que passei no passado. Para ser honesto, acho que isso vem da minha mudança de coração, uma vez que estou vivendo uma nova vida como cristão. O Senhor me deu paz e liberdade da dor que assombrou meu coração desde a minha infância”, acrescentou.

Para ele não há contradição entre ser cristão e lutador de MMA, por isso ele quer usar seu trabalho para dar seu testemunho.

“Eu ainda tenho e sempre vou ter uma paixão pelas artes marciais e não acredito, como cristão, que é errado para mim competir em um esporte profissional que é violento. Na verdade, estou feliz de testemunhar sobre ser cristão nesta plataforma que me foi dada”.

« Voltar

PERIGO TOTAL

Policiais invadem igreja doméstica durante culto, na China

FÉ EM DEUS

Astronauta cristão leva Bíblia para missão na estação espacial

Veja também...

NA PARAÍBA

Aglomerações em eventos, relaxamento e ‘festinhas familiares’ são as causas do aumento da Covid-19 na PB

NA PARAÍBA

Paraíba confirma 131 novos casos e 8 óbitos por Covid-19 nas últimas 24h

NO SERTÃO

Só restam quatro vagas na UTI Covid-19 do Hospital de Patos; ocupação está em 80% da capacidade