Compartilhe

Cristãos da Coreia do Norte sofrem com a fome, enquanto país proíbe ajuda de desertores

Por Guia me    Quinta-Feira, 30 de Julho de 2020


Os cristãos perseguidos na Coreia do Norte estão enfrentando grandes desafios em meio ao surto de coronavírus, temendo que não consigam sobreviver porque agora, aqueles que são considerados ‘desertores’ — pessoas que fugiram do país — estão proibidos de enviar dinheiro para suas famílias que ficaram sob a ditadura comunista do país.

Songyon Lee, uma cristã que vive na Coréia do Sul, disse à Radio Free Asia que recebeu várias cartas de sua mãe na Coreia do Norte detalhando as dificuldades que os crentes enfrentam durante o COVID-19.

"Entendo suas circunstâncias difíceis ao tentar se estabelecer em sua nova vida na Coreia do Sul", escreveu a mãe de Songyon. “Mas é um momento muito difícil aqui. Por favor me ajude mais uma vez”.

Songyon disse que enviou dinheiro para sua mãe em março, mas com o aumento do custo dos alimentos e o suprimento de alimentos importados desaparecendo rapidamente, o povo norte-coreano está lutando para sobreviver.

A Coreia do Norte aumentou a segurança nas fronteiras devido à pandemia do coronavírus, causando a diminuição de muitas atividades de intermediários e “contrabandistas” no país. No início deste ano, o país interrompeu as viagens internacionais com a China e a Rússia, restringiu as viagens domésticas e colocou diplomatas e estrangeiros em prisão domiciliar efetiva, relatou o Washington Post.

Um intermediário disse a Songyon: "Tenho medo e medo de fazer uma ligação hoje em dia; há uma verdadeira repressão aos desertores e intermediários norte-coreanos. Agora não, mas vamos esperar até que o nível atual de segurança se acalme", disse ele sobre receber dinheiro para sua mãe na Coreia do Norte.

O grupo de vigilância da perseguição religiosa Portas Abertas (EUA) observa que a incapacidade de enviar dinheiro afeta a igreja subterrânea (clandestina) norte-coreana, que tem mais de 300.000 fiéis. Um crente disse à organização: "A igreja não pode sobreviver sem comida".

Uma pesquisa realizada em março de 2019 pelo Centro de Informações sobre Direitos Humanos da Coreia do Norte no Sul mostrou que seis em cada dez desertores enviaram dinheiro para seus familiares na Coreia do Norte, com a quantia média de 2.460 dólares enviados a cada vez, de acordo com a Portas Abertas.

"Sem a economia dos ‘desertores’, a crise econômica na Coreia do Norte só vai piorar. Muitos não sobreviverão à doença real e à escassez de alimentos, criada pelos bloqueios e pela seca que destrói as colheitas", alerta o Portas Abertas.

Reação

O site Korean Herald relata que a mais recente campanha de panfletos anti-Pyongyang enviada à Coreia do Norte por desertores também pode estar contribuindo para a repressão exercida pela Coreia do Norte sobre os intermediários [da China ou Coréia do Sul] que, "por determinadas taxas, atendem desertores, organizando telefonemas e transferências de dinheiro para as famílias destes, frequentemente subornando os oficiais de segurança provinciais do Norte".

"Os desertores aqui estão enviando dinheiro e correspondendo à sua família deixada para trás no norte por meio de intermediários chineses, mas isso parou depois que Pyongyang delegou o trabalho de monitorar as famílias dos desertores a um órgão do partido central encarregado da segurança do estado", afirmou o Korean Herald. disse.

Liderada pelo ditador Kim Jong-un, a Coreia do Norte é classificada como o pior perseguidor de cristãos em todo o mundo na Lista Mundial da Portas Abertas sobre os países onde é mais difícil ser cristão.

A Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos também designou a Coreia do Norte como um "país de particular preocupação" por se envolver em violações sistemáticas, contínuas e flagrantes da liberdade religiosa, conforme definido pela Lei da Liberdade Religiosa Internacional.

« Voltar

DESCOBERTA

Igreja milenar é descoberta perto do monte onde Jesus se transfigurou

NA PARAÍBA

Romaria da Penha é adiada e tem novo formato devido à pandemia

Veja também...

NO SERTÃO

Município de São Mamede deu início ao Projeto de Instalação de Lâmpadas de LED

NO SERTÃO

Vereadora reivindica do Dep. Hugo Motta recursos para recapear Alça Sudeste, em Patos

NA PARAÍBA

Ex-conselheiro do TCE-PB é condenado por chamar síndica de 'esqueleto ambulante'