Compartilhe

Malafaia condiciona apoio de evangélicos a Bolsonaro à mudança de embaixada

Por UOL    Segunda-Feira, 31 de Dezembro de 2018


O pastor Silas Malafaia, líder da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, afirmou na tarde deste domingo (30) que o apoio eleitoral da comunidade evangélica ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), só ocorreu por causa do apoio do capitão da reserva a Israel.

A transferência da embaixada brasileira de Tel-Aviv para Jerusalém, um gesto de reconhecimento de que a cidade sagrada é a capital do Estado de Israel, foi promessa de campanha de Bolsonaro. O assunto foi tratado em reunião com o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, que iniciou na sexta-feira a primeira visita de um chefe de governo israelense ao Brasil.

Veja também

"Jerusalém é a eterna e indivisível capital de Israel", disse Malafaia, ao chegar para um encontro de líderes religiosos cristãos com Netanyahu, no hotel em que o premiê está hospedado, no Rio. Segundo o pastor, não haveria apoio da comunidade evangélica a Bolsonaro sem a agenda pró-Israel. "Nosso apoio a Bolsonaro é resultado de ele apoiar Israel", afirmou Malafaia.

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), pastor licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, abriu o encontro com Netanyahu. "Não tenho palavras para descrever o que Israel representa para nós. Rezemos pelo seu país todos os dias", afirmou Crivella, se dirigindo para o premiê israelense. O líder da Iurd e tio de Crivella, bispo Edir Macedo, anunciou apoio formal a Bolsonaro durante a campanha eleitoral.

O cardeal-arcebispo do Rio, d. Orani Tempesta, também está no encontro. No discurso aos líderes cristãos, Netanyahu ressaltou que Israel é o único país no Oriente Médio que é seguro para cristãos. "Não temos melhores amigos no mundo do que a comunidade evangélica. E a comunidade evangélica não tem melhor amigo do que Israel", afirmou o premiê.

Relações comerciais

O primeiro-ministro de Israel defendeu neste domingo o aprofundamento das relações comerciais com o Brasil. Em apresentação a jornalistas brasileiros no Rio, Netanyahu traçou o panorama de uma economia global em mudança constante, com foco na rápida evolução tecnológica. O premiê procurou descrever Israel como uma "potência tecnológica", com destaque para os setores de segurança cibernética, de tecnologia da informação, de agricultura de precisão e de reaproveitamento de água.

"Para uma companhia crescer, é preciso de novos produtos ou então de novos mercados", afirmou Netanyahu, ressaltando que o Brasil é um dos maiores mercados do mundo. Nos últimos anos, Israel tem buscado firmar acordos comerciais bilaterais - Indonésia, que detém a maior população muçulmana do mundo, e Brasil são os únicos que ficaram de fora desses acordos.

Para facilitar os contatos comerciais, o primeiro-ministro disse que a diplomacia israelense está em contatos com o Chade, para liberar a passagem de voos pelo espaço aéreo. A medida poderia encurtar em quatro horas o voo entre Tel-Aviv e São Paulo. Segundo Netanyahu, o mesmo foi feito após o estreitamento de relações com a Índia, pois a distensão na relação diplomática com a Arábia Saudita permitiu o uso do espaço aéreo no voo entre Tel-Aviv e Mumbai, capital financeira indiana.

"Discutimos com o presidente eleito, Jair Bolsonaro como trazer tecnologias israelenses para o Brasil", disse Netanyahu.

Bolsonaro e o premiê israelense se reuniram no Rio na sexta-feira, no primeiro dia da visita oficial de Netanyahu ao Brasil. Esta é a primeira vez na história que um primeiro-ministro israelense visita o Brasil. Netanyahu acompanhará a posse de Bolsonaro, na próxima terça-feira (1º), em Brasília.

« Voltar

FÉ CATÓLICA

Paróquia Santo Antônio de Patos realiza abertura da Semana Missionária Paroquial

MILAGRE

Sobrevivente de massacre diz que viveu promessa de Salmos

Veja também...

NO SERTÃO

Patos Shopping será inaugurado no dia 23 de abril

AFLIÇÃO

Patoense residente em Araçariguama-SP procura pela família em Patos que não vê há 30 anos

NO SERTÃO

Câmara de Vieirópolis aprova lei que impede nomeação de condenados na Lei Maria da Penha pela prefeitura