Compartilhe

Conluio de Moro e Dallagnol é o maior escândalo do Judiciário brasileiro, diz jurista

Por Brasil de Fato    Quarta-Feira, 12 de Junho de 2019


“O que era uma crítica teórica feita por acadêmicos, crítica jurídica feita por juristas e crítica política realizada por determinados segmentos, se transformou em prova e no maior escândalo do Judiciário brasileiro.” Esta é a avaliação do professor de Direito Constitucional da PUC-SP Pedro Serrano sobre o conteúdo das conversas entre procuradores da Operação Lava Jato e o então juiz Sergio Moro revelado  pelo The Intercept Brasil.

“É chocante tudo que foi feito, não dá para minimizar o fato. Houve um tipo de relação entre juiz e procuradores absolutamente antiética e fora de qualquer padrão de legalidade”, diz, em entrevista a Marilu Cabañas e Glauco Faria, na Rádio Brasil Atual. Para Serrano, as conversas “mostram a adoção de atitudes judiciais ou pretensão de adotá-las com finalidade politica, para interferir em eleição inclusive, o que é gravíssimo”.

Segundo o jurista, dadas as evidências expostas pela reportagem, a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também é questionável

“O processo contra Lula demonstra absoluta nulidade. Se for mantido, o Judiciário brasileiro demonstra ausência de cumprimento mínimo da Constituição e normas básicas de civilização. Temos provado documentalmente a parcialidade de Moro e que os procuradores agiram politicamente. Essa documentação foi obtida aparentemente de forma ilícita, não creio que seja apta para gerar a criminalização de ninguém, (mas) isso não significa que essa documentação não possa beneficiar réus. Um deles é Lula. (…) Do ponto de vista ético, o afastamento desses procuradores (seria) o mínimo para dar uma resposta à sociedade”.

Ainda de acordo com Serrano, o argumento de ilegalidade sobre as conversas vazadas pode não ser aplicado se o responsável for um dos participantes da conversa. 

“Se foi algum participante de conversa que vazou talvez não seja ilegal. Aparentemente houve ilicitude, há suspeita de que o telefone foi hackeado, interceptação telefônica. Mas se foi um interlocutor, eu posso divulgar a conversa se tenho conhecimento de crime, ainda mais em um caso desses. Coloca em xeque o Estado brasileiro, não dá pra minimizar isso”, avalia o jurista.

« Voltar

PREJUÍZOS

João Azevêdo veta projeto de Nabor que obrigava placas explicando paralisação de obras

BOA NOTÍCIA

João Azevedo apresenta à Secretaria da Aviação Civil projeto de construção do Aeroporto de Patos

Veja também...

Bruna Jaeger

Super ousada, ela faz o ensaio faz quente do ano

NA PARAÍBA

Pesquisador da UFPB cria aplicativo para facilitar tratamento de crianças autistas

NA CAPITAL

Prefeito de Malta entrega autorização das doações da população ao Hospital Laureano