Compartilhe

Justiça derruba cobrança de lei da taxa de água e esgoto em Patos

Por Ascom TJPB    Quarta-Feira, 7 de Novembro de 2018


O Tribunal de Justiça da Paraíba declarou a inconstitucionalidade da Lei nº 004/2017, do Município de Patos, que prevê a cobrança de taxa à concessionária pública de água e esgoto. A decisão, sob a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) ocorreu na manhã desta quarta-feira (7) e teve a relatoria do desembargador Fred Coutinho, que julgou procedente o pedido.

Na ADI, o Governo estadual argumentou que a referida lei é inconstitucional, pois, não pode se utilizar de tributo com efeito de confisco, além de lhe faltar competência adequada, e, ainda, sem indicar corretamente o fator gerador. Alegou, ainda, que a permanência dos dispositivos questionados representará permanente prejuízo para o Estado, por ser a taxa inconstitucional, tendo em vista que não foi observado o disciplinamento concernente aos tributos. Com estes fundamentos, defendeu a necessidade de suspensão da norma.

Por outro lado, a Câmara Municipal de Patos alegou que a lei é constitucional e pediu a improcedência do pedido, argumentando que, nos moldes do artigo 30 da Constituição Federal (CF), o município tem competência complementar para legislar sobre tributo, notadamente quando a norma em epígrafe não mostra “como base a questão de água”, mas a respeito do Imposto Sobre Serviço (ISS).

No voto, o desembargador Fred Coutinho ressaltou que quando instituiu a ‘Taxa de Outorga e Fiscalização da Concessão Pública de Água e Esgoto’, o artigo 388 atingiu a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa). A sociedade de economia mista, que atua no segmento de saneamento básico, é responsável pela distribuição de água e coleta e tratamento de esgotamento sanitário nos municípios do Estado.

Ainda segundo o relator, nos termos do artigo 22 da CF, a União possui competência privativa para legislar sobre águas, permitindo aos Estados, mediante lei complementar, “legislar sobre questões específicas das matérias relacionadas”.

O desembargador Fred Coutinho afirmou, também, ao analisar o artigo questionado, que as taxas têm como escopo custear os serviços inespecíficos, indivisíveis, não mensuráveis e insuscetíveis de serem referidos aos contribuintes. “A legislação adota como fato gerador serviços não divisíveis, que são executados ‘uti universi’, ofendendo, pois, diretamente, à Constituição do Estado da Paraíba nesse particular”, disse.

« Voltar

NO SERTÃO

Povo escolhe, em consulta, Ivanes de Lacerda para ser prefeito interino de Patos

NO SERTÃO

Tribunal Regional Federal mantém prefeito de Emas afastado do cargo

Veja também...

DECIDIDO

Vereador Ivanes Lacerda é eleito novo prefeito interino de Patos em eleição de presidente da Câmara

NO SERTÃO

MP abre investigação contra ex-prefeito de Patos acusado de tentar pagar propina para impedir denúncia de irregularidades

TRAGÉDIA

Polícia Civil investiga morte de criança que ingeriu ‘chumbinho’, em Patos