Compartilhe

Prefeito interino de Patos diz que vai se defender das acusações e não teme revés na carreira política

Por Redação 40 Graus com ASCOM    Domingo, 2 de Dezembro de 2018


O prefeito interino de Patos, Bonifácio Rocha (PPS), concedeu entrevista coletiva à imprensa, na tarde desta sexta-feira, (30/11), em seu gabinete, para comentar a aprovação do pedido de investigação da câmara de vereadores quanto à sua gestão.

Na oportunidade, o prefeito falou que desconhecia o conteúdo da denúncia apresentada pelo advogado Claudinor Lúcio, mas disse acreditar na existência de um movimento organizado para desestabilizar a sua gestão.

“Não há um conteúdo, eu não conheço esse rapaz e acho que tem muita gente por trás dele. Nós estamos esperando ser oficializados para entrar com defesa e todos os recursos possíveis para responsabilizar quem está verdadeiramente por trás dessa história”, afirmou o prefeito Bonifácio Rocha.

Indagado pelos jornalistas, o prefeito disse não ter nada a temer e que agirá no sentido de responsabilizar as pessoas que estiverem participando de um movimento politicamente orquestrado, para comprometer o trabalho do atual governo.

“Eu não sou de censurar ninguém, mas o que a população me diz e me faz acreditar é que há a tentativa de um golpe. Usar o poder pelo poder a qualquer custo e isso é no mínimo estranho. Por isso eu peço as autoridades para nos ajudar no sentido de investigar e ir as últimas consequências para saber quem está por trás disso e por que querem fazer isso”, afirmou o gestor.

O prefeito interino de Patos ainda tranquilizou a população em relação aos compromissos assumidos pelo Município e disse que vai continuar administrando com o objetivo de cumprir o mandato dentro da legalidade do cargo.

“Não irei usar dinheiro do Município em benefício próprio e nem vou utilizar um tustão dos cofres públicos para aliciar vereador. Estou no posto por uma determinação da Justiça, e estou preocupado em fazer o trabalho enquanto eu estiver aqui”, finalizou Bonifácio.

« Voltar

MUDA TUDO

Reforma de Bolsonaro limita abono a quem ganha até um salário mínimo

MAIS LUTA

Trabalhador contribuirá 40 anos para aposentar-se com 100% do salário

Veja também...

AINDA DAS ELEIÇÕES

Quase 600 títulos eleitorais podem ser cancelados em Patos

NO SERTÃO

Dupla é assassinada a tiros em Coremas, no Sertão

MUDANÇAS

Reforma da Previdência: entenda os principais pontos da proposta apresentada pelo governo