Compartilhe

Parecer no TRE-PB solicita a desaprovação das contas de campanha do deputado eleito Julian Lemos

Por Por Redação com Os Guedes    Terça-Feira, 4 de Dezembro de 2018


A comissão de Análise de Prestação de Contas do TRE-PB opinou pela desaprovação das contas de campanha do deputado federal eleito Julian Lemos (PSL). O parecer foi assinado pelo técnico Adriano de Lacerda Siqueira.

De acordo com o documento, teria havido o descumprimento quanto à entrega dos relatórios financeiros de campanha no prazo estabelecido pela legislação eleitoral. Os valores dos gastos eleitorais não declarados representam 24,58 % do total dos gastos da campanha (R$ 363.928,50).

Em sua defesa, Julian Lemos alegou que não houve ausência de informação quanto aos gastos eleitorais realizados à data inicial de entrega da prestação de contas parcial, mas, sim, atraso do envio dessas informações à Justiça Eleitoral, que por equivoco só foram lançados quando da apresentação da prestação de contas final de campanha.

Para a defesa, “o envio das informações desses gastos somente na prestação de contas finais, não impede a apreciação das contas de campanha pelo órgão técnico da Justiça Federal, tratando-se um mero erro formal, incapaz de inviabilizar a análise das contas do candidato, tampouco retira a sua transparência, tratando-se de um vício sanável, irrelevante para configurar caso de rejeição de contas do candidato”.

A Resolução do TSE nº 23.553/2017, em seu artigo 50, destaca que “a não apresentação tempestiva da prestação de contas parcial ou a sua entrega de forma que não corresponda à efetiva movimentação de recursos pode caracterizar infração grave, a ser apurada na oportunidade do julgamento da prestação de contas final”.

O relator do caso, o juiz Paulo Wanderley Câmara, concedeu o prazo de 3 dias para que Julian Lemos se manifeste sobre as conclusões do órgão técnico. “Tendo em vista a emissão de parecer técnico conclusivo pela desaprovação das contas e em atenção ao princípio da ampla defesa, intime-se o requerente para, querendo, manifestar-se sobre as irregularidades, no prazo de três dias, vedada a juntada de documentos que não se refiram especificamente à irregularidade e/ou impropriedade apontada (art. 75 da Resolução TSE nº 23.553/2017)”.

 

« Voltar

POLÊMICA

Vereador Capitão Hugo diz que está sendo perseguido após apresentação de projeto

NO SERTÃO

Advogado confirma que Dinaldo Filho não assinou notificação da Câmara de Vereadores de Patos

Veja também...

NO SERTÃO

Complexo Hospitalar de Patos realiza classificação de risco dos pacientes

NO SERTÃO

Hospital do Bem de Patos realiza 428 atendimentos nos três primeiros meses de funcionamento

NO SERTÃO

Mais 3 pessoas são presas na Operação Recidiva em Patos; veja os nomes