Compartilhe

Lava Jato: Telegram diz que não há evidência de que aplicativo foi hackeado

Por UOL    Terça-Feira, 11 de Junho de 2019


O aplicativo de mensagens Telegram disse hoje que não há evidências de que seu sistema tenha sido hackeado ao comentar o caso envolvendo o ex-juiz federal e ministro da Justiça, Sergio Moro, e de integrantes da força-tarefa do MPF (Ministério Público Federal) na Operação Lava Jato no Paraná.

Conversas entre Moro e procuradores foram divulgadas no último domingo (9) pelo site "The Intercept Brasil". Os diálogos foram feitos no Telegram. O site diz que as mensagens foram repassadas por uma fonte.

Em resposta a uma pergunta feita por um brasileiro no Twitter, que questionou se o aplicativo foi hackeado, a conta do Telegram no microblog disse em inglês que "não há evidência de nenhuma invasão". "É mais provável que tenha sido malware [um tipo de vírus] ou alguém que não esteja usando uma senha de verificação em duas etapas".

Indeed, there's no evidence of any hack. Most likely to have been either malware or someone not using a 2-step verification password. See also: https://t.co/KY2Rhzy3ei

- Telegram Messenger (@telegram) June 11, 2019

Nesta terça, Moro usou sua página no Twitter e indicou acreditar que sua conta no Telegram havia sido hackeada. Ele disse que, "além de juízes e procuradores, jornalistas também tiveram celulares hackeados pelo mesmo grupo criminoso".

Moro nega ter dado orientação a procuradores da Lava Jato e diz que o fato grave é a invasão criminosa de celulares. "Ali, basta ler o que se tem lá [para ver que não há orientação]... o fato grave é a invasão criminosa dos celulares dos procuradores. E está havendo muito sensacionalismo em torno dessas supostas mensagens."

Além de juízes e procuradores, jornalistas também tiveram celulares hackeados pelo mesmo grupo criminoso.https://t.co/9pkwypqPtk

- Sergio Moro (@SF_Moro) June 11, 2019

A Lava Jato também declarou acreditar que mensagens tenham sido hackeadas. Com a invasão, teriam sido clonados aparelhos celulares e contas em aplicativos de comunicação instantânea, o que resultou no vazamento de mensagens trocadas entre procuradores. Em nota, a força-tarefa comentou que o "modo de agir agressivo, sorrateiro e dissimulado do criminoso é um dos pontos de atenção da investigação".

« Voltar

PREJUÍZOS

João Azevêdo veta projeto de Nabor que obrigava placas explicando paralisação de obras

BOA NOTÍCIA

João Azevedo apresenta à Secretaria da Aviação Civil projeto de construção do Aeroporto de Patos

Veja também...

Bruna Jaeger

Super ousada, ela faz o ensaio faz quente do ano

NA PARAÍBA

Pesquisador da UFPB cria aplicativo para facilitar tratamento de crianças autistas

NA CAPITAL

Prefeito de Malta entrega autorização das doações da população ao Hospital Laureano