Compartilhe

Menino é acorrentado, espancado e torturado pela mãe na Paraíba

Por Portal Correio    Quinta-Feira, 11 de Julho de 2019


Um menino de sete anos deu entrada no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande nessa quarta-feira (10) vítima de agressão doméstica. Ele estava sendo mantido em cárcere privado pela própria mãe, na zona rural do município de Boqueirão, conforme o Conselho Tutelar informou à TV Correio. A criança foi encontrada acorrentada e teria sido espancada com fios elétricos e cordas.

As agressões ao menino teriam sido descobertas por funcionários da escola onde ele estuda, que estranharam sua ausência nos últimos dias e acionaram o Conselho Tutelar. “Ele já vinha sendo assistido pelo Conselho e já havia um processo na justiça, então, diante disso, a gente voltou a chamar. Por ser mãe, eu não quis me calar, então resolvi falar, porque a gente tem que fazer a nossa parte”, relatou a professora da criança, Leila Maria.

De acordo com o Trauma de Campina Grande, o menino foi atendido pela urgência pediátrica e passou por exames. Conforme boletim médico, a criança foi diagnosticada com anemia, desnutrição e sinais de hematomas e queimaduras no corpo. A criança segue internada em situação estável, sem previsão de alta hospitalar.

Polícia fala em tortura e tentativa de homicídio

A Polícia Civil foi acionada na manhã desta quinta-feira (11) e disse que está apurando a situação. O delegado Iasley Almeida comentou que a mãe do menino será investigada por tentativa de homicídio e tortura. Segundo ele, uma tia da criança também participou da denúncia, juntamente com o Conselho Tutelar. Até a publicação desta matéria, não haviam ocorrido prisões.

“A Polícia Civil iniciou as investigações para apurar a tentativa de homicídio qualificado pela tortura contra a criança, por parte da mãe. A criança estava com várias agressões pelo corpo e num estado de desnutrição total. Ficou colhido pelas investigações que a mãe da criança a agredia constantemente, amarrando-a pelos pés, torturando-a psicologicamente, omitindo a alimentação que a criança merecia, além de queimar o corpo da criança com vela e agredir seus testículos, mostrando claramente a sua intenção deliberada em tortura-lá para obter um mal maior, que seria a morte da criança”, declarou o delegado.

Histórico de violência

Também de acordo com apuração da TV Correio, o menino já tinha sido afastado do convívio com a mãe, devido a denúncias de agressões. Ele é órfão de pai e passou um tempo morando com uma das avós, mas, há cerca de 40 dias, voltou para a casa da mãe. A suspeita atualmente vive com um agente de saúde municipal e, com ele, tem outro filho, de 1 ano e seis meses. Não há indícios de que o caçula também tenha sofrido maus-tratos.

« Voltar

VIOLÊNCIA

Prefeito enforca jornalista durante transmissão ao vivo; veja

NO SERTÃO

Colisão entre veículos deixa dois feridos na BR-230 em Patos

Veja também...

BOA NOTÍCIA

Ação beneficente será realizada em Malta em prol do Hospital do Câncer Napoleão Laureano, nesta sexta(19)

NO SERTÃO

Prefeitura Municipal de São José do Bonfim realiza Orçamento Democrático

NO SERTÃO

OS de Goiânia-GO vai gerenciar Hospital e Maternidade de Patos