Compartilhe

Patos e mais 7 cidades da Paraíba participam da paralisação nacional em defesa da educação pública

Por Vicente Conserva - 40 Graus    Terça-Feira, 14 de Maio de 2019


Uma série de atos públicos serão realizados na Paraíba nesta quarta-feira, 15 de maio, em defesa da educação pública e contra o corte no orçamento das Instituições Federais de Ensino e o projeto reforma da Previdência. A atividade integra o Dia de Greve Nacional da Educação, convocado por entidades representativas do setor em todo o país.

Estão programados protestos nas cidades de João Pessoa, Campina Grande, Cajazeiras, Patos, Sousa, Sumé, Pombal e Monteiro. Aqui em Patos, o ato terá concentração às 8h, em frente a Praça Edivaldo Motta, no Centro da cidade. Haverá panfletagem e discursos em carro de som de lideranças dos diversos movimentos sociais, políticos e sindicais que integram o ato.

Várias instituições como UFCG, IFPB, UEPB, escolas municipais e estaduais, anunciaram que vão aderir ao protesto e não haverá aula neste dia nestas unidades de ensino. 

A Greve Nacional da Educação do dia 15 de maio está sendo convocada por entidades nacionais do setor de ensino de todo o Brasil e é preparatória para a Greve Geral dos trabalhadores convocada pelas centrais sindicais para 14 de junho. Professores, funcionários técnico e administrativos e estudantes dos diversos estados od País irão sair às ruas para protestar contra a reforma da Previdência e os ataques à educação, principalmente o corte de mais 30% no orçamento das Ifes que inviabiliza a prestação de um serviço de qualidade à sociedade.

Na UFPB, foram bloqueados R$ 44,7 milhões de recursos de custeio e R$ 5,6 milhões oriundos de emendas da bancada federal de deputados e de senadores, que totalizam um corte de 32,75% no orçamento da instituição para este ano. O corte vai impactar não apenas a universidade, como toda a economia da Paraíba. Somados os recursos retirados da UFPB, da UFCG e dos institutos federais, deixarão de circular na Paraíba quase R$ 92 milhões este ano. Além disso, deixarão de ser pagas 2,3 mil bolsas aos estudantes da instituição e 713 funcionários terceirizados podem ser demitidos.

« Voltar

NO SERTÃO

Açude Coremas se aproxima dos 20% de sua capacidade total

NA PARAÍBA

Número de contratados sem concurso em prefeituras da PB cresce mais de 3,6 mil em um ano

Veja também...

NO SERTÃO

Bandidos explodem agências dos bancos do Brasil e Bradesco em São Bento

CONTRATO

Bolsonaro posou em 2017 com fuzil liberado por decreto

PRA BAIXO

Um mês após título, desempenho oscila e aproveitamento despenca no Flamengo