Compartilhe

‘Cartola’ identifica corrupção no futebol da PB, mas falta punição

Por Portal Correio    Domingo, 10 de Junho de 2018


Há dois meses, o futebol paraibano passava a viver um novo momento em sua história com a realização da Operação Cartola, exatamente um dia após a final do Campeonato Paraibano. Para uns, o suposto esquema revelado pelas investigações não era nenhuma novidade, já que muitos dos envolvidos davam vários sinais das práticas antiesportivas, mas para outros foi duro golpe, afinal a Paraíba e o Brasil agora sabem que todas as suspeitas se confirmaram através de escutas telefônicas. Porém, a pergunta que ainda ‘martela’ a cabeça do tão sofrido torcedor é: o que mudou nesses 60 dias?

Como se tornou caso de polícia, outro questionamento que é frequente nas rodas de conversa é: alguém responderá criminalmente ao final dessa história? A ação abalou o futebol estadual e fez com que a Federação Paraibana de Futebol (FPF) se transformasse em algo muito semelhante a um cemitério: cheio de mistério, mas ainda rodeado de muito silêncio e interrogações.

Esse clima aumenta dia após dia e começa a provocar uma inquietação na comunidade esportiva paraibana. Nomeado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e instalado na Paraíba desde o dia 17 de maio, o grupo intervencionista capitaneado pelo advogado mineiro Flávio Boson Gambogi, que também é auditor do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), ainda não se pronunciou oficialmente, emitindo apenas uma nota falando sobre o adiamento de algumas competições organizadas pela FPF.

Além da queda do presidente Amadeu Rodrigues, as ações judicial e policial também fizeram com que caísse o ex-árbitro José Renato Soares (que comandava a Comissão de Arbitragem), além de provocar a CBF para que a entidade afastasse os árbitros paraibanos que integram o quadro nacional, hoje impedidos de trabalhar em qualquer competição.

A Operação Cartola foi fruto de um trabalho da Polícia Civil e do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba. A ação teve como objetivo desarticular um suposto esquema que reunia dirigentes, clubes e árbitros que promoviam práticas como manipulação de resultados, adulteração de documentos, interferência em decisões da Justiça Desportiva e desvio de valores das rendas dos jogos.

De acordo com a Polícia Civil, as investigações que envolveram essa primeira parte da operação duraram sete meses e os relatórios finais já foram entregues ao Gaeco. A expectativa agora fica por conta de um posicionamento do Ministério Público, que deve oferecer denúncia e um segundo momento deste processo possa acontecer, que neste caso, envolverá a Justiça Criminal.

24 pedidos de prisão – Segundo um relatório da Polícia Civil na investigação, a que o Correio da Paraíba teve acesso, foram solicitados à Justiça alguns pedidos de prisão para dirigentes e árbitros.

CARTOLA EM DETALHES

  • sete meses de investigação quatro clubes investigados por núcleos independentes
  • 93 interrogatórios/depoimentos coletados
  • 120 pessoas investigadas
  • 150 telefones interceptados
  • 5.362 páginas
  • 127.478 ligações telefônicas analisadas em toda a operação

TIPIFICAÇÃO DOS CRIMES – Organização criminosa Crimes do Estatuto do Torcedor ameaça coação no curso do processo

« Voltar

MAIS UM

Nacional de Patos anuncia a contratação de atacante ex-Sousa

VEJA OPÇÕES

Time Carille: comissão técnica do Corinthians cresce com retorno do treinador

Veja também...

NA PARAÍBA

Perícia do IML indica que houve execução dos trabalhadores Sem Terra

NO SERTÃO

PM descobre presos escavando buraco em cela e impede fuga em Piancó

POLÊMICA

MPE investiga nova triagem feita com pacientes do SAMU no Complexo Hospitalar Regional de Patos