Compartilhe

Mantida decisão que determinou a designação de defensores públicos para Comarca de Patos

Por Assessoria TJPB com 40 Graus    Segunda-Feira, 14 de Maio de 2018


A Segunda Seção Especializada Cível manteve a sentença do Juízo da 5ª Vara da Comarca de Patos que impôs ao Estado da Paraíba a designação de um defensor público para cada uma das nove unidades judiciárias da comarca; bem como que fosse designado um defensor público para atuação no sistema penitenciário e um para atendimento ao público. Com a decisão unânime do Órgão Fracionário, o pedido do Estado da Paraíba para suspender a sentença na Ação Rescisória nº 0800206-31.2016.8.15.0000 foi julgado improcedente. O relator foi o juiz convocado João Batista Barbosa. O julgamento ocorreu na sessão do dia 02 de maio.

A controvérsia na decisão do 1º Grau se referia à possibilidade de o Poder Judiciário determinar ao Poder Executivo a implementação de políticas públicas, visando à efetivação de direitos fundamentais, no caso, a prestação de assistência jurídica integral e gratuita aos hipossuficientes, nos termos do artigo 5º, LXXIV, da Constituição Federal. O juiz do 1º Grau acatou a tese e o 2º Grau confirmou.

Na Ação Rescisória, o Estado da Paraíba fundamentou seu pedido no inciso V do artigo 966 do Código de Processo Civil. Este dispositivo dispõe que: “Art. 966. A decisão de mérito, transitada em julgado, pode ser rescindida quando: (…) V – violar manifestamente norma jurídica.”

Afirmou, ainda, que a sentença ofendeu o artigo 98, § 1º, do Ato das Disposições Transitórias- ADCT (acrescentado pela Emenda Constitucional 80/2014), o qual fixou um prazo de oito anos para que os Estados lotem defensores públicos em todas as unidades jurisdicionais. Por fim, informou que a Defensoria do Estado conta, atualmente, com um quadro reduzido de membros, de modo que não se afigura possível lotar defensores públicos em todas as unidades jurisdicionais do Estado.

No voto, o juiz convocado ressaltou que para a Ação Rescisória ter pertinência, a interpretação dada pelo julgador tem que violar frontalmente dispositivo legal, o que, no caso em análise, não ocorreu. “Não cabe Ação Rescisória por ofensa a literal disposição de lei, quando a decisão rescindenda se tiver baseado em texto legal de interpretação controvertida nos tribunais”,disse o relator, citando a Súmula nº 343 do STF.

Por fim, o juiz-relator concluiu que não havia como o Juízo de 1º Grau aplicar e dar qualquer interpretação ao artigo 98, § 1º, do ADCT, haja vista que a Emenda nº 80/2014 entrou em vigor em 04 de junho de 2014 e a sentença rescindenda foi publicada em 25 de abril de 2013.

« Voltar

LAFAEITTE

Irmão de Ricardo Coutinho morre aos 75 anos em João Pessoa

DESCASO TOTAL

Corretor de imóveis de Patos reclama da cobrança de taxa por colocação de placa em calçada e faz grave denúncia

Veja também...

EM SANTA CRUZ

Homem é morto a tiros durante vaquejada no Sertão da PB

AGRESSÕES

Filme revela que cantora Whitney Houston foi abusada pela prima

Raissa de Albuquerque

Ela é linda, tem um corpão e parece uma bonequinha!