Compartilhe

Justiça do Trabalho anula multa aplicada à Igreja Católica da Paraíba por exploração sexual

Por G1 Paraíba    Sexta-Feira, 8 de Novembro de 2019


A Justiça do Trabalho anulou, nesta quinta-feira (7), a multa de R$ 12 milhões aplicada contra a Arquidiocese da Paraíba através de uma ação civil pública, que acusa a instituição religiosa de exploração sexual. De acordo com a decisão, não há provas suficientes no processo. O julgamento do recurso aconteceu no Tribunal Regional do Trabalho, em João Pessoa. A procuradoria afirmou que vai recorrer da decisão.

A multa foi aplicada em janeiro de 2019, mas o caso vem sendo investigado desde 2014. Conforme a acusação, um grupo de sacerdotes pagava por sexo a flanelinhas, coroinhas e seminaristas.

A denúncia feita pelo procurador do Ministério Público do Trabalho, Eduardo Varandas, também afirma que o pagamento aos jovens explorados era feito com dinheiro e até mesmo com comida. Os padres envolvidos negam a acusação. Eles foram afastados da função.

Conforme explicou Varandas no mês de janeiro, a indenização de R$ 12 milhões - R$ 1 milhão para cada ano de dom Aldo Pagotto à frente da Arquidiocese - seria revertida "para o fundo da infância, da adolescência e instituições congêneres que trabalham com crianças sexualmente exploradas e atuam na recuperação psicóloga e na reinserção social”.

O julgamento começou à tarde e terminou pouco antes das 20h. Mais informações sobre o processo não foi divulgado, pois o caso corre em segredo de justiça.

« Voltar

MAIS UM

Petrobras reajusta gasolina em 2,8% nas refinarias

NO SERTÃO

TJPB mantém pena de 21 anos de reclusão a homem que matou companheira a facadas em Patos

Veja também...

NO SERTÃO

Prefeito Ivanes confirma que pode fechar UPA de Patos por falta de dinheiro

DE CHEGADA

Nacional de Patos anuncia mais um meia para temporada 2020

NO SERTÃO

Hospital Regional de Patos registra mais de 40 mil atendimentos entre janeiro e outubro deste ano