Compartilhe

Aretuza Lovi lança “Arrependida” com participação de Solange Almeida

Por G1    Terça-Feira, 10 de Abril de 2018


Embora esteja em cena desde 2012, ano em que apresentou as gravações de músicas como Eletrobrega e Striptease, a drag queen Aretuza Lovi – nome artístico do cantor e compositor goiano Bruno Nascimento, de atuais 28 anos – teve a carreira impulsionada em 2017 por conta da visibilidade nacional de Pabllo Vittar.

Tanto que, de olho no lance comercial, a gravadora Sony Music contratou Aretuza em dezembro do ano passado para faturar com a abertura do mercado e da sociedade do Brasil para a exposição de artistas associados ao marginalizado universo LGBT.

Feito hoje, 9 de abril, o lançamento da música Arrependida – em gravação formatada pelos compositores e produtores Ruxell, Sergio Santos e Pablo Bispo – é mais um passo da empresa multinacional para promover o ainda inédito primeiro álbum de Aretuza, Mercadinho, previsto para este ano de 2018, cinco anos após a edição do EP PopStar(2013) e dois após o EP Nudes (2016).

Gravado com a participação da cantora Solange Almeida, o single Arrependida chega às plataformas digitais quatro meses após a edição do primeiro single do álbum, Joga bunda, produzido pelo mesmo trio Ruxell, Sérgio Santos e Pablo Bispo que deu forma à composição Arrependida, também promovida com clipe posto hoje em rotação.

Com aguçado senso de marketing, a Sony Music juntou Aretuza Lovi com Pabllo Vittar, drag também contratada pela gravadora, nesse single Joga bunda – estratégia que gerou visibilidade expressiva para o clipe da música e que já beneficia o lançamento de Arrependida.

« Voltar

NO SERTÃO

Vereador de Patos solicita voto de aplauso a Pinto do Acordeon

NO SERTÃO

Projeto ‘Cinema do Bem’ leva entretenimento a pacientes do Hospital do Bem

Veja também...

NO SERTÃO

Patos Shopping será inaugurado no dia 23 de abril

AFLIÇÃO

Patoense residente em Araçariguama-SP procura pela família em Patos que não vê há 30 anos

NO SERTÃO

Câmara de Vieirópolis aprova lei que impede nomeação de condenados na Lei Maria da Penha pela prefeitura