Compartilhe

Filme sobre Suzane Von Richthofen com Carla Diaz gera polêmicas

Por EXTRA    Terça-Feira, 10 de Setembro de 2019


Em outubro de 2002, um crime chocante fez o Brasil parar. Todo mundo tentava entender o que levou a jovem estudante Suzane Von Richthofen a planejar a morte dos pais junto com o namorado e o cunhado. Essa história, agora, vai ganhar as telas de cinema com a atriz Carla Diaz no papel de Suzane. As gravações de “A menina que matou os pais’’ ainda nem começaram, mas muitas polêmicas — e até informações falsas — rondam a produção, que tem previsão de estreia para o primeiro semestre do ano que vem.

— É uma história que marcou muito. E o Brasil, claro, ficou chocado com o que aconteceu. Mas esse não é o primeiro crime de grande repercussão que é contado pela dramaturgia. Se alguém não concorda que o episódio vire filme, é uma opinião, e temos que respeitar — pondera Carla, referindo-se às manifestações negativas sobre a adaptação desse crime real para os cinemas.

Na internet, falou-se, inclusive, que a atriz encontraria pessoalmente com Suzane para fazer o trabalho de preparação:

— Isso não vai acontecer. Eu estou me preparando muito, e a ansiedade é grande com essa nova jornada que começa. Mas essa história de que vou ter que encontrar com ela, que está lá cumprindo pena, não tem nada a ver. Meu trabalho está só no começo.

Além de Carla, o longa traz os atores Leonardo Bitencourt como Daniel Cravinhos (namorado de Suzane na época e um dos assassinos) e Allan Souza como Cristian (cunhado que também participou do crime). A direção é de Mauricio Eça. O roteiro foi supervisionado pelo escritor de literatura policial Raphael Montes e pela criminóloga Ilana Casoy, autora dos livros “O quinto mandamento’’ (Arx, 2006), que reconstitui o assassinato, e “Casos de família’’ (Darkside, 2016), sobre a morte dos Richthofen e de Isabella Nardoni.

O filme está sendo produzido com investimento 100% privado, sem verba pública.

Suzane Von Richthofen, Daniel e Cristian Cravinhos não tiveram contato com ninguém da equipe.

O longa é uma adaptação de uma história real, reconstituída a partir das informações dos autos do processo e dos depoimentos dos envolvidos.

Nem Suzane nem os irmãos Cravinhos ou qualquer outra pessoa retratada no filme receberá dinheiro da produção, de bilheteria ou de direitos autorais.

Os atores e a equipe técnica passaram por treinamento com Ilana Casoy, coautora do roteiro e que acompanhou todo o processo na época em que aconteceu o crime. Ela estava presente na reconstituição e no julgamento.

O engenheiro Manfred e sua mulher, a psiquiatra Marísia Von Richthofen, foram assassinados a pauladas enquanto dormiam, dentro da mansão deles, no bairro do Brooklin, em São Paulo. O crime foi cometido pelos irmãos Cristian e Daniel Cravinhos no dia 31 de outubro de 2002.

Suzane foi condenada a 39 anos de prisão por ter sido considerada mentora da ação e cumpre pena na Penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo. Daniel encontra-se no regime aberto. Já Cristian estava na mesma situação que o irmão, mas foi preso em 2018 após se envolver em uma confusão em um bar de Sorocaba, também no interior de São Paulo.

« Voltar

PRESTÍGIO

Secretaria da Cultura concede título de 'Mestre das Artes Canhoto da Paraíba' a Pinto do Acordeon

ÚLTIMA TURNÊ

Benito Di Paula chega à João Pessoa com show “Fim de Papo”

Veja também...

MENOS SAÚDE

Presidente da ASPAA diz que autista teve atendimento negado no Centro Especializado em Reabilitação de Patos

NO SERTÃO

MP arquiva inquérito que investigava ato de improbidade do prefeito Sales pela não realização do São João

SEM SORTUDO

Mega-Sena acumulada pode pagar R$ 120 milhões nesta quarta-feira