Compartilhe

Justiça determina que extinção de órgãos de trânsito seja retirado de pauta em Itaporanga

Por Jornal da Paraíba    Quinta-Feira, 30 de Julho de 2020


O Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), em decisão da 3ª Vara Mista de Itaporanga, determinou que a Câmara de Vereadores retire da pauta de sessões, de forma imediata, um Projeto de Lei encaminhado pelo prefeito Divaldo Dantas (DEM) que extingue a Superintendência Itaporanguense de Transporte e Trânsito Urbano (SITTRANS) e o Fundo Municipal de Transporte e Trânsito Urbano da cidade. Caso a decisão seja descumprida, será aplicada multa diária no valor de R$ 2 mil, até o limite de R$ 10 mil.

A ação civil pública contra o prefeito e o presidente da Câmara de Vereadores, Silverton Soares dos Santos (Neném de Adailton), foi assinada pelo promotor de Justiça de Itaporanga, Edmilson de Campos Leite Filho. Ela é parte de um levantamento feito pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), sobre a legalidade do Projeto de Lei enviado à Câmara, com o intuito os dois órgãos, transferindo e extinguindo cargos ocupados por servidores efetivos e comissionados, além da alteração de três leis municipais.

O promotor explicou que a Câmara de Vereadores foi notificada para se abster de votar o projeto, pois ele é contrário aos interesses da coletividade. O MPPB também afirmou que foram enviadas notificações ao prefeito e ao procurador municipal, para que justificassem o motivo para a propositura do Projeto de Lei, além do motivo de terem suspendido, sem prévio aviso, os agentes de trânsito de suas funções.

“Não houve resposta aos expedientes enviados e estando diante de uma ilegalidade, o Ministério Público propôs a ação”, disse o promotor.

Na sentença, a juíza, Hyanara Torres Tavares de Souza, registrou que a criação da SITTRANS significou “um grande avanço social, porque veio para promover a fiscalização e segurança no trânsito de toda a comunidade, reduzindo os riscos ocasionados por aqueles que não respeitam as leis de trânsito”.

Também considerou contraditória a jusfiticativa apresentada pelo prefeito para extinguir a autarquia que tem caráter superavitário e arrecadatório e concluiu que a municipalização do trânsito é um direito constitucionalmente garantido, uma vez que visa garantir direito à vida, à segurança e a à saúde, direitos previstos no artigo 5º e 196 da Constituição Federal.

 

Ilegalidade

 

Além de argumentar que a iniciativa do prefeito é ilegal por violar a obrigatoriedade de municipalização do trânsito prevista no Artigo 24 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a ação movida pelo Ministério Público também contesta a justificativa apresentada no próprio Projeto de Lei para a extinção da SITTRANS e do Fundo Municipal de Transporte e Trânsito: dificuldades financeiras para manter os órgãos.

Para isso, a Prefeitura apresentou que entre novembro de 2017 (período em que começaram a ser realizadas as autuações pelo órgão) até outubro de 2019, a SITTRANS já havia aplicado 9.708 multas, totalizando aproximadamente R$ 357,4 mil. O promotor Edmilson de Campos Leite Filho disse, na ação civil pública, “que é um alto valor de arrecadação para uma cidade com pouco mais de 24 mil habitantes, o que não condiz com a alegação de dificuldades econômicas em gerir o órgão”.

A ação do Ministério Público é fundamentada com base no Código de Trânsito Brasileiro e na Lei 12.587/2012, que ficou conhecida como ‘Lei de Mobilidade Urbana’. Ambos falam sobre o pacto federativo, a gestão descentralizada do trânsito e as competências e obrigações dos municípios brasileiros quanto à gestão do trânsito, a segurança nos deslocamentos e a qualidade do transporte.

 

« Voltar

NO SERTÃO

Dr. Rogério Perônico anuncia apoio as pré-candidaturas de Esaú e Netinho em São José do Bonfim

MENOS NO CAIXA

Prefeituras da Paraíba recebem 1ª parcela do FPM de agosto com queda de 25,6%

Veja também...

NO SERTÃO

Município de São Mamede deu início ao Projeto de Instalação de Lâmpadas de LED

NO SERTÃO

Vereadora reivindica do Dep. Hugo Motta recursos para recapear Alça Sudeste, em Patos

NA PARAÍBA

Ex-conselheiro do TCE-PB é condenado por chamar síndica de 'esqueleto ambulante'