Compartilhe

Egito anuncia duas novas descobertas arqueológicas

Por G1    Quinta-Feira, 12 de Julho de 2018


O Ministério de Antiguidades do Egito divulgou duas novas descobertas no início deste mês. Uma, datada do período da dinastia ptolemaica – há mais de 2 mil anos -, e a outra das eras greco-romana, copta e islâmica, escondida na época da Segunda Guerra Mundial.

O primeiro achado, divulgado no dia 1º de julho, é resultado de escavações arqueológicas na cidade de Alexandria, na costa norte do país. Mostafa Waziri, secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades, explicou que foi encontrada uma tumba com um sarcófago de granito preto, com 185 cm de altura, 265 cm de comprimento e 165 cm de largura.

Segundo Wazari, é o maior sarcófago já encontrado no município egípcio. A tumba foi localizada a 5 metros abaixo da superfície e, segundo outro funcionário do setor de antiguidades do país, havia uma camada de argamassa entre a tampa da tumba e o sarcófago, o que indica que o material não foi aberto desde que foi depositado.

Uma cabeça esculpida de alabrasto (gesso e calcite) foi encontrada ao lado, e provavelmente pertence ao dono da tumba, de acordo com o ministério.

A outra descoberta, anunciada na última quarta-feira (4), é de centenas de objetos de cerâmica. Eles datam das eras greco-romana, copta e islâmica, e foram encontrados em um esconderijo “muito provavelmente” construído durante a Segunda Guerra Mundial, no interior de um Museu de Alexandria.

As peças foram descobertas “durante trabalhos de restauração” no jardim interno do museu greco-romano de Alexandria, disse o comunicado do ministério.

“Muito provavelmente foram escondidas pelo arqueólogo (britânico) Alan Rowe e pelos funcionários do museu durante a Segunda Guerra Mundial, entre 1939 e 1945”, disse o chefe do Setor de Antiguidades egípcias, Ayman Ashmawi.

Segundo ele, o objetivo era “proteger os objetos da pilhagem e dos bombardeios frequentes durante a guerra”. As antiguidades provavelmente foram escondidas “rapidamente” e, por isso, não foram registradas na lista do museu.

“O esconderijo contém uma coleção de cerâmica de tamanhos e formas diferentes”, indicou a chefe do Departamento Central de Antiguidades egípcias e greco-romanas, Nadia Jadre.

Entre elas, há urnas funerárias, chamadas “Hidari”, onde eram guardadas as cinzas dos mortos após sua cremação no período grego. Também foram encontrados recipientes, vasilhas e pratos das épocas greco-romana e bizantina.

« Voltar

NO BRASIL

Descendente de escravos morre aos 113 anos em Mato Grosso

INCRÍVEL

Jovem sofre amputação de parte de polegar por causa do vício de roer unhas

Veja também...

ELEIÇÕES 2018

Haddad sobe 11% na nova Pesquisa Ibope e já está empatado com Bolsonaro no segundo turno

SEM MUDANÇAS

Lomba banca Barbieri no Flamengo, ainda busca coordenador e garante autonomia nas decisões

PREÇO ALTO

Prefeito de Patos promete a empresários revisar pontos cruciais do Código Tributário